Tag Archives: preparação exame economia

Classificação dos bens económicos

Classificação dos bens económicos

 

Os bens económicos podem ser classificados quanto à sua natureza, função, duração ou relações que estabelecem entre si.

Os bens económicos são aqueles que se adequam às nossas necessidade mas pelo facto de serem escassos implicam o pagamento de um valor para a sua aquisição.

Os bens livres pelo contrário dada a sua abundância, não implicam qualquer custo,

Quanto à natureza

Bens materiais: São todos os objetos tangíveis, isto é, que assumem uma forma física, como um carro, um computador ou uma bicicleta.

Bens imateriais ou serviços: São aqueles que são prestados através do trabalho e que não assumem a forma material, como, por exemplo, uma consulta de um dentista ou a ida a um fisioterapeuta.

Quanto à sua função

Bens de produção: São os bens que se incorporam no processo de fabrico de outros, sendo considerados de consumo intermédio, por exemplo, o couro para fazer calçado.

Bens de consumo, são bens que se destinam à satisfação das necessidades dos consumidores.

Quanto à duração:

Bens duradouros são aqueles em que a sua utilidade não se extingue após uma utilização, Por exemplo um automóvel.

Bens não duradouros são aqueles cuja utilidade é extinta numa única utilização. Por exemplo: um bolo.

Quanto à sua relação:

Bens complementares são bens que não podem ser dissociados um do outro, por exemplo: Isqueiro e o cigarro;

Bens substituíveis: são bens que satisfazem as mesmas necessidades daí podem ser substituídos um pelo outro.

 

Preparação Exame Economia

Preparação Exame Economia

Preparação Exame Economia

Preparação Exame Economia

Visite o nosso site de apoio aos alunos: www.explicacoeseconomia.com.pt

 

Centros de Explicações Odivelas, Quinta Nova

Aulas personalizadas de preparação para Testes e Exame Nacionais

Todas as disciplinas desde o Ensino Básico ao Superior

Preparação Exames Nacionais 2017

Preparação Exames Nacionais 2017

Apoio Escolar Odivelas

Explicações e Preparação para os Exames Nacionais 2017

Centros de Estudos Kids.com nº1 em Loures e Odivelas

Todas as disciplinas

Explicações Álgebra

Explicações Análise Matemática

Explicações Alemão

Explicações Biologia

Explicações Espanhol

Explicações Economia

Explicações Francês

Explicações Filosofia

Explicações FQ

Explicações Física

Explicações Geografia

Explicações Geometria Descritiva

Explicações História

Explicações Inglês

Explicações Matemática

Explicações MACS

Explicações Português

Explicações Química

Entre outras…

Estamos em Odivelas, Rua Vieira da Silva, lote 11, loja B, Quinta Nova, 2675-209 Odivelas

Preparação para Maiores 23 anos e Apoio ao Ensino Superior

Também temos aulas ao domicílio

visite-nos: www.aulasaodomicilio.com

Professores experientes e muito competentes.

Boa taxa de sucesso em anos anteriores

Quem somos

A Kids.com é uma empresa especializada em aulas particulares nos nossos centros e ao domicílio.

Desde 2004 que ajudamos os nossos alunos a melhorarem o seu desempenho e a atingirem o sucesso escolar !

Sabemos bem como a aposta no futuro é necessária. Assim sendo, a Kids.com é um centro de ensino que promove explicações, cursos de informática e cursos de línguas para pessoas de todas as idades.

Os Centros de Estudos Kids.com dispõem de uma vasta equipa de professores multidisciplinares, que permite abranger várias áreas de ensino.

As aulas são realizadas individualmente no nosso espaço em frente à Escola Secundária Braamcamp Freire, na Pontinha, nas instalações da papelaria Cruza Rituais.

Reserve já a sua inscrição

Preços

Preços Explicações Odivelas

Preços Explicações Odivelas

One + One

2 amigos = 50% de desconto para cada

(promoção não acumulável com outras existentes)

Contactos

91 818 70 95, 21 931 23 97

email: info@kids.com.pt

visite-nos: www.explicacoesodivelas.pt

Explicações de Economia

Explicações de Economia

Explicações de Economia

Explicações de Economia

Soluções à sua medida

Aulas individuais

Aulas personalizadas = Melhores resultados

Aulas + Intensivas

Individuais ou em pequenos grupos

Aulas em grupo – One plus One

Happy Hour – horários económicos (exclusivo para Odivelas)

Pacotes intensivos de aulas

Equipa de professores

Experientes

Com bons resultados comprovados

Locais de Formação:

Domicílio (grande Lisboa e arredores)

Odivelas

Pontinha

Loures

Santo António dos Cavaleiros

Póvoa Sto Adrião

Caneças

Casal de Cambra

Disciplinas

Todas as disciplinas

Secundário

3º Ciclo

Preparação Maiores 23 Anos

A kids.com tem uma equipa de professores experientes que apoiam os alunos no processo de exame para acesso aos Maiores 23 anos

Onde Estamos

Locais abrangidos:

  • Salas Kids  Caneças, Casal de Cambra, Colinas do Cruzeiro (Odivelas), Frielas, Loures, Quinta Nova (Odivelas), Pontinha, Póvoa de Santo Adrião, Ramada, Santo António dos Cavaleiros.
  • Formação ao Domicílio– Benfica, Carnide, Loures, Lumiar, Moscavide, Odivelas, Olival Basto, Parque das Nações, Ramada, Telheiras.

http://kids.com.pt/quem-somos/contatos/locais-de-formacao/

http://kids.com.pt/quem-somos/contatos/como-chegar-ate-nos/

Funcionamos durante todo o ano inclusive durante o período de férias escolares.

Contacte-nos:

Telm. 91 818 70 95, tel. 21 931 23 97 email: info@kids.com.pt

visite-nos: www.kids.com.pt

 

A Intervenção do Estado na Economia

A Intervenção do Estado na Economia

A Intervenção do Estado na Economia

Funções e organização do Estado

Consideramos Estado uma entidade dotada de soberania, composta por uma comunidade com uma estrutura organizada num determinado território.

O conceito de Estado engloba 3 elementos fundamentais: o povo, o território e a soberania.

Povo: conjunto de pessoas que são unidas pelo vinculo de nacionalidade ou cidadania

Território: considera-se o espaço geográfico sob o poder do Estado, inclui o solo e subsolo terrestres e os espaços aéreo e marítimo

Soberania: considera-se o poder supremo do Estado sobre o povo e o território.

Ao Estado são tradicionalmente atribuidas 3 funções:

Legislativa: consiste na elaboração das leis

Executiva: consiste na execução das leis pondo-as em prática

Judicial: ocupa-se da resolução de conflitos

O Estado na atualidade tem também em consideração a satisfação dos interesses coletivos. Desta forma o Estado tem 2 áreas fundamentais de intervenção, a social e a económica.

Na sua função social: O Estado procura garantir o bem-estar de todos os indivíduos, dando importância aos mais desfavorecidos, fornecendo os serviços essenciais, como a saúde ou a educação, e concedendo subsídios.

Função económica: atua como dinamizador ou regulador da atividade económica da nação.

Os poderes e competências do estado são atribuidos aos seus órgãos de soberania. De acordo com o artigo 110º da Consituição da República, os órgãos de soberania que exercem as funções legislativa, executiva, judicial e politica são:

  • o Presidente da República;
  • a Assembleia da República
  • o Governo
  • os Tribunais

Segundo o artigo 118º da CRP, que define o princípio da renovação, ninguém pode exercer a título vitalício qualquer cargo político. O artigo 123º da mesma Constituição define um limite máximo de 2 mandatos no que se refere à reeligibilidade dos órgãos de soberania, Por outro lado, o artigo 111º menciona a necessidade de separação de poderes e interdependência.

Sector Público

O Sector publico é  que trata dos assuntos de interesse geral do pais, tendo como objetivo a maxima satisfação das necessidades coletivas sem ter fins lucrativos.

O Estado desenvolve essencialmente dois tipos de tarefas.

As atividades clássicas relacionadas com a satisfação das necessidades coletivas como a justiça, a segurança, saúde e educação e as atividades de produção de bens e serviços que se equipara ao sector produtivo privado.

Desta forma o sector público decompoe-se em dois.

O Setor Público Administrativo (SPA) e o Sector Empresarial do Estado (SEE).

O Sector Público Administrativo ou Administração Pública trata os assuntos de interesse geral do país, visando a máxima satisfação das necessidades coletivas e não tendo fins lucrativos. O SPA procede à redistribuição do rendimento através da utilização dos impostos, taxas e contribuições obrigatórias entregues pelos cidadãos. Neste sector incluimos a Adiminstração Central com os ministérios e as direções gerais, a Administração Local autarquias e a Segurança Social

O Sector Empresarial do Estado é o sector produtivo do Estado, engloba as empresas por ele detidas total ou maioritariamente.

Funções económicas e sociais do estado

Funções económicas e sociais do estado – visam garantir:

  1. Eficiência
  2. equidade
  3. estabilidade

 

1. Eficiência– levar os agentes económicos a efectuar escolhas racionais e eficientes, que permitam elevado grau de satisfação a baixo custo.

MAS… existem FALHAS DE MERCADO…

Ô

a. concorrência imperfeita – impedir a formação de monopólios

b. externaliades – negativa -Ex: poluição; positiva (descobertas)

c. bens públicos – não rivalidade; não exclusividade. Ex: defesa nacional

 

2. Equidade – A repartição primária dos rendimentos gera desigualdades económicas e sociais. Face a isto, o Estado deve:

garantir equidade, isto é: proceder à redistribuição dos rendimentos.

Ex: dar subsídios aos mais carenciados. Rendimento Social de Inserção, pensões de reforma, invalidez.

 

3. Estabilidade – o Estado deve intervir na economia de forma a prevenir situações de instabilidade ou a minimizar os seus efeitos sobre a vida eco e social. Ex: subsídios de desemprego, medidas de combate à inflação…

INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DO ESTADO

11.2.2 INSTRUMENTOS DE INTERVENÇÃO ECONÓMICA E SOCIAL DO ESTADO:

 

1- Planeamento – fixa objectivos que pretende alcançar a curto, médio e longo prazo.

– Imperativo – sector público

– Indicativo – sector privado

 

Orçamento de Estado – documento elaborado anualmente pelo Governo onde se prevêem as receitas e as despesas a efectuar pelo Estado, de acordo com os objectivos eco e socais fixados.

 

Despesas públicas – despesas efectuadas pelo Estado.

– Classificação de acordo com o critério funcional: despesas com:

 

– Funções gerais de soberania (Serviços Gerais da AP, Defesa Nacional, Segurança e Ordem Públicas)

         – Funções sociais – educação, saúde, …

         – Funções económicas – agricultura, indústria, transportes, …

 

As despesas públicas podem ser correntes ou de capital. As despesas correntes são aquelas que garantem o normal funcionamento da Administração Pública, como os vencimentos dos funcionários públicos, todos os bens de consumo utilizados habitualmente pela Administração Pública, etc.

        

Receitas públicas – podem ter várias origens:

         – Receitas coactivas: impostos, taxas, multas

                   Impostos – directos (IRS, IRC…) / indirectos (IVA, IA, ISP)

 

– Receitas patrimoniais: rendimentos gerados pelo património de que o Estado é proprietário

 

         – Receitas creditícias (empréstimos): dívida pública

 

 

Receitas/Despesas – classificação de acordo com o critério económico:

 

         – Receitas correntes – ex: impostos, taxas e multas

– Receitas de capital – podem não se repetir no ano seguinte. Ex: privatizações, venda de património do Estado, empréstimos…

O Banco de Portugal classifica as receitas públicas segundo um critério económico equivalente à classificação das despesas. Consideram-se os impostos, taxas e outras contribuições pagas pelos cidadãos como receitas correntes e integra a venda de património, bens de capital, aplicação da poupança ou a obtenção de empréstimos na categoria das receitas de capital.

 

         – despesas correntes – encargos permanentes do Estado no desempenho das suas funções ao longo do ano. Ex: vencimentos c/ funcionários.

         – despesas de capital – encargos assumidos num determinado ano mas cujos efeitos podem prolongar-se em anos seguintes. Ex: construção de pontes, aquisição de capital fixo,…

 

 

Saldo orçamental – diferença entre o total das receitas correntes e o total das despesas correntes.

 

         – défice orçamental corrente – empréstimos – dívida pública (dependendo dos financiadores, pode ser interna ou externa).

         – superavite orçamental corrente

 

Significado do saldo orçamental:

         – Através das receitas o Estado intervém nas esferas eco e social quando:

                   – aumenta ou diminui os impostos directos ou indirectos

         – Através das despesas o Estado intervém nas esferas eco e social quando:

                  – aumenta os salários dos funcionários públicos ou contrata mais

                   – aumenta a despesa do Estado em bens de consumo

                   – aumenta as transferências para as famílias

                   – aumenta as despesas de capital

 

Conclusão: o saldo orçamental é indicador utilizado na análise da situação económica de um país…

Estado Liberal e Estado Intervencionista

 Estado Liberal e Estado Intervencionista

Estado Liberal

 

O conceito de Estado liberal surge no século XVIII após as revoluções liberais ocorridas na Europa em França e Inglaterra. O liberalismo assentava em pressupostos como a propriedade privada, redução do poder político, ordem espontânea, igualdade perante a lei e funcionamento livre do mercado.

 

Este tipo de Estado – “Estado Liberal” entrou em crise no final do século XIX. Viu-se agravada a sua situação com a 1ª GM e a Grande Depressão de 1929. O mecanismo de mercado não conseguia resolver todos os problemas através da auto-regulação. A crise económica, originada nos EUA devido a um excesso de produção, que os produtores não conseguiam escoar o excesso de produção, o que provocou um grande volume de desemprego. John M. Keynes, economista, defende como resposta à crise que o Estado deveria alargar a sua intervenção a determinadas áreas de cariz social. Defende também que o investimento efectuado pelo Estado poderia contribuir para criar emprego e, assim, gerar mais rendimento.

 

Estado Intervencionista

No período que se segui à Segunda Guerra Mundial (1939-1945), o Estado passou a ter um papel muito mais interventivo na vida dos cidadãos. Desta maneira, começou a nacionalização de vários sectores fulcrais da economia, nomeadamente, os sectores relacionados com bens essenciais para a sociedade, como a electricidade, o gás ou o carvão.

Capitulo 7 – Poupança e Investimento

Capitulo 7 – Poupança e Investimento

Capitulo 7 - Poupança e Investimento

Capitulo 7 – Poupança e Investimento

7.1 – Utilização dos rendimentos – o consumo e a poupança

7.2 – Destinos da poupança – a importância do investimento

7.3 – O financiamento da atividade económica – autofinanciamento e financiamento externo

7.3.1 – Financiamento externo indireto – crédito

7.3.2 – Financiamento externo direto – o mercado de títulos

7.4 – O investimento em Portugal e o investimento português no estrangeiro

Exercícios de escolha múltipla

Exercícios de desenvolvimento

Definições importantes – Poupança e Investimento

Criação de moeda escritural

Criação de moeda escritural

Os bancos desempenham uma função muito importante na atividade económica: a criação de moeda escritural.

Estas instituições, quando permitem que parte das poupanças por si captadas voltem a entrar no mercado pela via do crédito, estão a criar moeda. Este efeito é denominado efeito multiplicador do crédito.

Os bancos são obrigados a constituir uma reserva. Desta forma guardam uma percentagem dos valores captados nos depósitos, pelo que não podem aplicar todas as poupanças em crédito. Mas a parte que se destina a crédito faz com que o capital que estaria guardado possa ser utilizado para financiar outro agente, que, por sua vez, o pode aplicar de novo, fazendo aumentar a moeda escritural sem que, na prática, tenha havido um aumento de notas e moedas em circulação.

A captação de depósitos, a concessão de crédito e a criação de moeda escritural são as principais funções dos bancos. Mas os bancos também se dedicam à guarda e administração de valores mobiliários e à gestão de meios de pagamento, como cartões ou cheques, entre outras atividades devidamente reguladas.

 

Investimento quanto à função

Investimento quanto à função

Invertimento de substituição: renovação de existências;

Investimento de inovação: melhoria dos processos de fabrico, melhoria de eficiência e competitividade, racionalização da atividade. Pode ser realizado pela aquisição de máquinas mas também cada vez mais pode ser realizado pela introdução de melhores sistemas de software.

Investimento de capacidade: investimento em equipamentos, ampliação de instalações, melhoria da rentabilização de espaço. São todos os tipos de investimento que permitem aumentar a actividade.

Entesouramento

Entesouramento

Um outro destino dado à poupança é o entesouramento. Em épocas em que o capital perde valor as pessoas tentam livrar-se do capital e adquirir algo que não perca valor.

A compra de uma obra de arte é uma forma de entesouramento. O entesouramento pode ser realizado através da guarda de valores em cofre, para que os valores armazenados não se depreciem, por ex. joias.

 

Sociedade de consumo e a poupança

Sociedade de consumo e a poupança

A sociedade consumista tem um impacto negativos nos níveis de poupança.

O consumismo das famílias, faz com que o rendimento disponível seja maioritariamente gasto em despesas de consumo diminuindo desta forma os níveis de poupança.

Sociedade de consumo e a poupança

Sociedade de consumo e a poupança