Tag Archives: preparação exame economia Odivelas

A Contabilização da atividade económica

A Contabilização da atividade económica

A Contabilização da atividade económica

A Contabilização da atividade económica

A Contabilização da atividade económica

Os agentes económicos e o circuito económico

1. O circuito económico

A atividade económica corresponde a um conjunto de operações realizadas pelos agentes económicos que têm como objetivo criar bens e serviços suscetiveis de satisfazer as necessidades.

Assim a atividade económica

Produção — Distribuição — Repartição dos rendimentos(salários,rendas,juros,lucros)—utilização dos rendimentos(consumo,poupança).

Os agentes económicos são todas as entidades individuais ou coletivas que desempenham uma função na atividade económica.

Tipo de Agentes Económicos

Tipo de agentes económicos

Tipo de agentes económicos

Os agentes económicos

Famílias: incluem todos os agregados familiares de um país. As famílias constituem um agente económico porque representam uma função económica, o consumo.

Empresas – São os agentes económicos que se dedicam à produção de bens e serviços. Dividem em dois tipos diferentes:

Empresas não financeiras: são aquelas que produzem os bens e serviços não financeiros (por exemplo: um ginásio, um restaurante, etc.)

Empresas financeiras: são aquelas que comercializam produtos financeiros, como por exemplo os bancos ou as seguradoras.

Estado: neste agente incluímos a Administração Pública, esta tem como principal função promover a satisfação das necessidades coletivas. O Estado intervém na economia através da redistribuição dos rendimentos e do fornecimento de serviços, como a educação ou a saúde, de modo a satisfazer as necessidades da população.

Resto do Mundo: englobam-se todas as operações efetuadas entre um país e o Resto do Mundo. Registam-se as transações realizadas entre os agentes nacionais e os agentes estrangeiros. Atualmente, quase não se pode falar em economias fechadas, pelo que é praticamente impossível viver sem estabelecer relações de troca com outras nações. As maioria das nações estabelece relações económicas com outros países, estabelecendo assim um modelo de economia aberta.

Funções principais dos agentes económicos

Famílias: Função principal é consumir bens e serviços.

Empresas não financeiras: Produzir bens e serviços não financeiros

Empresas financeiras: Produzem serviços financeiros

Estado: O Agente económico que gere a aplicação das leis e arbitra o circuito económico.

Exterior ou Resto do Mundo: Relações com o resto do Mundo. Realização de transações com agentes estrangeiros

Desta maneira classificamos os agentes económicos de acordo com a sua função principal.

Desta maneira temos: as famílias, as empresas, o Estado e o Resto do Mundo.

As empresas: são os agentes económicos que se dedicam à produção de bens e serviços. Podemos ainda distinguir entre empresas financeiras e empresas não financeiras. As empresas não financeiras são aquelas que produzem os bens e serviços não financeiros (normalmente designamos apenas de empresas). As instituições financeiras são as que comercializam produtos financeiros, como os bancos ou as seguradoras.

Famílias: neste grupo incluem-se todos os agregados familiares de um país. As famílias  constituem um agente económico porque representam uma importante  função económica o consumo.

Estado: este agente económico inclui a administração pública que tem como principal função promover a satisfação das necessidades coletivas. O Estado intervém na economia através da redistribuição dos rendimentos e do fornecimento de serviços, como a educação ou a saúde, de modo a satisfazer as necessidades da população.

Resto do Mundo: englobam-se todas as operações efetuadas entre um país e os restantes (Resto do Mundo). Aqui registam-se as transações realizadas entre os agentes económicos nacionais e os agentes económicos estrangeiros. Nos dias de hoje é praticamente impossível falar em economias fechadas, é praticamente impossível viver sem estabelecer relações de troca com outros países. A maior parte das economicas (nações) vive num modelo de economia aberta.

Agentes económicos e principal função:

Familias – Consumo de bens e serviços

Empresas não financeiras – produção de bens e prestação de serviços não financeiros

Instituições financeiras – prestação de serviços financeiros

Estado – fornecimento de bens e serviços que visam a satisfação das necessidades coletivas e redistribuição do rendimento.

Resto do mundo: realização de transações com agentes económicos.

Definições a ter em conta:

Circuito económico: é a representação esquemática dos fluxos que se estabelecem entre os diferentes agentes económicos.

Economia aberta: economia que estabelece relações de troca com o resto do mundo

Economia fechada: economia que procura ser auto-suficiente, não efetuando transações comerciais com o exterior.

Os agentes económicos interagem uns com os outros no desempenho das suas funções.

As famílias consomem os bens que as empresas não financeiras produzem e adquirem os serviços financeiros prestados pelas instituições financeiras. As familias servem como fonte de mão de obra, constituido assim a força de trabalho das empresas em troca recebem a sua remuneração.

Os individuos que trabalham para a administração pública recebem do Estado os seus vencimentos. No sentido contrário os agregados familiares entregam ao Estado sobre a forma de impostos que este cobra e as quotizações sociais. O Estado por seu lado, aplica as verbas que recebe dos cidadãos em políticas de redistribuição, através da atribuição de subsidios como também na produção de bens e prestação de serviços, procurando assim satisfazer o máximo as necessidades coletivas.

As empresas também estabelecem relações com a administração pública. O Estado consome bens, contrata serviços às empresas mediante o correspondente pagamento, por outro lado, cobra-lhes impostos e contribuições sociais.

Por último, as empresas, quando compram ou vendem bens ao exterior, estabelecem laços comerciais com outro agentes – transações com o Resto do Mundo.

Complementaridade entre as atividades:

Depois de realizada a produção, procede-se à repartição dos seus resultados pelos diferentes intervenientes no processo produtivo;
Com os rendimento obtidos, as famílias irão utilizar os seus rendimentos em consumo ou poupança;
Raramente as famílias adquirem os bens e serviços de que necessitam directamente ao produtor, funcionando neste caso os distribuidores que asseguram a disponibilização dos bens nos locais de consumo.

As relações que se estabelecem entre os diferentes agentes, denominam-se fluxos, podem ser reais ou monetários, conforme dizem respeito à troca de bens e serviços ou ao valor monetário dos bens e serviços transaccionados.

Desta forma falamos de fluxos reais quando nos referimos ao conjunto dos bens e serviços trocados entre os diferentes tipos de agentes económicos e fluxos monetários quando as transações de bens e serviços são expressas em moeda.

fluxos reais e monetários

fluxos reais e monetários

Existe outra forma de análise que se prende com os recursos (recebimentos) e os empregos (pagamentos) de cada agente económico.

Assim para um agente económico

Empregos: registam-se os pagamentos, os fluxos que correspondem às saídas.

Recursos: aqui registam-se os recebimentos , os fluxos que correspondem às entradas.

Por exemplo o agente económico famílias:

Empregos (Pagamentos)

às empresas não financeiras:
Despesas de consumo
Investimento (cedência de capital)
às instituições financeiros
depósitos
amortização de empréstimos
juros de empréstimos
prémios de seguro
Ao Estado
impostos
contribuições para a segurança social

Recursos (recebimentos)

Das empresas não financeiras

salários (funcionários)
Rendas (proprietários de imóveis)
Lucros (empresários)

Das instituições financeiras

juros dos depósitos
ordenados (dos funcionários)
empréstimos concedidos
indemnizações (em caso de sinistro)

Do Estado

Vencimentos (funcionários públicos)
transferências sociais (pensões, subsídios)

Agente económico Empresas não financeiras

Empregos (pagamentos)

às familias

salários
rendas (cedência de imóveis)
lucros (retorno do investimentos)

As instituições financeiras

depósitos
juros de empréstimos
amortização de empréstimos
prémios de seguro
lucros (retorno do investimento)

Ao Estado

Impostos
Contribuições para a Segurança Social

Ao Resto do Mundo

Valor das importações (nacionais)

Recursos (recebimentos)

Das famílias

Despesas de Consumo
Investimento

Das instituições financeiras

investimento
juros de depósitos
empréstimos concedidos
indemnizações

Do Estado

Despesas de consumo
subsídios à produção

Do Resto do Mundo

Valor das exportações (nacionais)

Equilibrio económico

A existência do equilíbrio económico implica por um lado que os recursos de cada agente sejam simultaneamente empregos de outros agentes e que o total dos empregos dos agentes seja igual ao total dos seus recursos.

Em resumo

Equilibrio económico

Total dos empregos = Total dos recursos
Cada recurso de um agente é emprego de outro

Agregados macroeconómicos

também a nível macroeconómico se vai observar o equilíbrio económico sendo que o Produto Nacional iguala a Despesa Nacional e o Rendimento Nacional.

PN = DN = RN

Em resumo :

Produto Nacional é o somatório de todos os bens e serviços produzidos por uma nação durante um determinado período de tempo (geralmente 1 ano).

A atividade produtiva de 1 país permite gerar rendimentos como os salários, os lucros, as rendas ou os juros. Os rendimentos criados a partir do processo produtivo vão ser usados em consumo ou em investimento sendo efetivamente os gastos do país, ou seja, a Despesa Nacional

Desta forma podemos verificar que a igualdade entre os três agregados representa o equilíbrio económico.

Despesa Nacional = Produto Nacional = Rendimento Nacional.

A entrega dos fatores de produção permite a produção de bens e serviços (PN) que por seu lado vão ser consumidos pelos indivíduos de uma nação (DN) e também gera os rendimentos que serão distribuídos (RN) e utilizados (DN) pelos agentes.

Os agentes económicos e o circuito económico

O que é a produtividade?

O que é a produtividade?

O que é a produtividade?

O que é a produtividade?

A produtividade indica a eficácia com a qual estamos a utilizar os diversos fatores de produção.

A produtividade mostra-nos a relação entre uma certa quantidade de produto e a quantidade de um ou mais fatores afetados à sua produção. A produtividade permite, conhecer o valor da produção por unidade de recurso utilizada.

Desta forma a produtividade mede-se pela quantidade produzida ou o seu valor em função da quantidade ou valor dos fatores utlizados.

Podemos falar em produtividade do trabalho, de uma máquina ou de uma superfície de terra.

A produtividade é um indicar muito importante para podermos analisar a saúde de uma economia.

Cálculo da produtividade

Produtividade média do trabalho = Quantidade de produto obtido / quantidade do fator trabalho utilizado (horas de trabalho ou nº de trabalhadores)

ou  (valor do produto obtido / valor do trabalho empregue)

Produtividade média do capital = quantidade de produto obtido / quantidade de capital técnico utilizado

ou

valor do produto obtido / valor do capital técnico utilizado

Quando estabelecemos a relação entre o valor total da produção e o valor total dos recursos para a obter, temos a produtividade total.

Quando se calcula a produtividade, sempre que se passa a usar mais uma unidade do fator trabalho ou do fator capital, obtemos a produtividade marginal.

 

Processo de Integração Europeu

Processo de Integração Europeu

Na atualidade com o Brexit, saída do Reino Unido da UE, vivem-se muitas incertezas em relação ao processo de integração Europeu. Vamos ver o enquadramento histórico do processo de integração Europeu.

Assegurar a paz

  • A ideia de uma Europa unida começou por ser apenas um sonho de filósofos e visionários antes de se tornar um verdadeiro projeto político. Victor Hugo, por exemplo, imaginou uns “Estados Unidos da Europa” pacíficos e inspirados num ideal humanitário. O sonho foi desfeito pelos trágicos conflitos que assolaram o continente na primeira metade do século XX.
  • No entanto, foi das cinzas da Segunda Guerra Mundial que nasceu uma nova esperança. Os que haviam resistido ao totalitarismo durante a guerra estavam determinados a pôr fim aos antagonismos nacionais e a criar condições para uma paz duradoura. Entre 1945 e 1950, um punhado de estadistas corajosos, como Robert Schuman, Konrad Adenauer, Alcide de Gasperi e Winston Churchill, empenhou se em persuadir os seus povos a iniciarem uma nova era. Novas estruturas, baseadas em interesses comuns e assentes em tratados que garantissem o primado da lei e a igualdade das nações, iriam ser criadas na Europa Ocidental.
  • Robert Schuman (Ministro dos Negócios Estrangeiros francês) retomou uma ideia originalmente lançada por Jean Monnet e, em 9 de Maio de 1950, propôs a fundação de uma Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA). Colocar sob uma autoridade comum – a Alta Autoridade – a produção de carvão e de aço de países outrora inimigos era um ato pragmático mas simultaneamente de elevado valor simbólico. Com ele, as matérias primas da guerra transformavam se em instrumentos de reconciliação e de paz.

1947 – Pós Guerra

A Europa encontrava-se em ruínas após o fim da Segunda Guerra Mundial, a Europa necessitava de se revitalizar e renascer das cinzas. Nessa altura, os EUA ofereceram uma ajuda financeira através de um pacote intitulado Plano Marshall. Os Estados europeus fundaram, em 1947, a OECE – Organização Europeia de Cooperação Económica, para coordenar e administrar os capitais destinados a apoiar a reconstrução europeia. Esta organização passou a chamar-se OCDE.

1951 – Tratado de Paris

Em 1951, foi criado um mercado comum do carvão e do aço, através do Tratado de Paris, com objetivo de gerir conjuntamente dois bens essenciais às economias da época. Tratava-se da constituição da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA), formada pelos 6 países: Bélgica, França, República Federal da Alemanha, Itália, Luxemburgo e Países Baixos.

1957 – Tratado de Roma

O tratado de Roma surgiu no seguimento do Tratado de Paris com os mesmos países membros e que originou a Comunidade Económica e Europeia (CEE), também na sequência deste tratado nasceu a Euratom – Comunidade Europeia da Energia Atómica.

A Euratom tinha como objetivo principal a utilização pacífica da energia atómica, numa época bastante conturbada no que se referia à utilização deste tipo de energia. Vivia-se a Guerra fria, num mundo bipolar disputado por duas esferas de influência dos EUA e da URSS, vivia-se na iminência de uma nova guerra mundial, existiu uma tremenda corrida ao armamento.

A CEE tinha como objetivo criar um mercado comum mais alargado, com livre circulação e adoção de uma pauta aduaneira comum relativamente a países terceiros, bem como a aplicação de políticas económicas e sociais comuns conducentes a uma integração económica total.

Década de 60

Na década de 60, os direitos aduaneiros foram abolidos entre os seis países fundadores da CEE, tendo a união aduaneira sido concluído em 1968. Na mesma década, os seis países também estipularam políticas comuns para as áreas do comércio e da agricultura.

Década de 70

Em 1973, mais três países decidiram aderir à CEE: a Dinamarca, o Reino Unido e a Irlanda. Este alargamento trouxe a definição de mais políticas comuns: passaram a ser privilegiados aspetos sociais e, dois anos mais tarde, era criado o Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

Década de 80

Em 1981, foi a vez de a Grécia se juntar aos noves países da CEE, logo seguida por Portugal e Espanha, em 1986.

Adesão de Portugal à CEE

Década de 90

Em Dezembro de 1997, foram iniciadas as negociações para um alargamento sem precedentes que incluía a Bulgária, a Polónia, a Roménia, a Hungria, a República Checa e a Eslováquia, antigos países do bloco soviético, a Estónia, a Letónia e a Lituânia, Estados Bálticos que estiveram integrados na URSS, os países mediterrânicos Chipre e Malta e a Eslovénia e Croácia, duas das repúblicas da antiga Jugoslávia.

Século XXI

Esta adesão concretizou-se em 3 fases: na primeira fase, ocorrida em 1 de Maio de 2004, aderiram à UE dez dos treze países; na segunda fase, a 1 de Janeiro de 2007 entraram a Bulgária e a Roménia. A 1 de Julho de 2013 aderiu à UE a Croácia.

Processo de Integração Europeu

Processo de Integração Europeu

 

 

Preparação Exame Economia 2017

Preparação Exame Economia 2017

Preparação Exame Economia 2017

Preparação Exame Economia 2017

Visite o nosso site de apoio aos alunos: www.explicacoeseconomia.com.pt

 

Centros de Explicações Odivelas, Quinta Nova

Aulas personalizadas de preparação para Testes e Exame Nacionais

Todas as disciplinas desde o Ensino Básico ao Superior

Preparação Exames Nacionais 2017

Preparação Exames Nacionais 2017

Apoio Escolar Odivelas

Explicações e Preparação para os Exames Nacionais 2017

Centros de Estudos Kids.com nº1 em Loures e Odivelas

Todas as disciplinas

Explicações Álgebra

Explicações Análise Matemática

Explicações Alemão

Explicações Biologia

Explicações Espanhol

Explicações Economia

Explicações Francês

Explicações Filosofia

Explicações FQ

Explicações Física

Explicações Geografia

Explicações Geometria Descritiva

Explicações História

Explicações Inglês

Explicações Matemática

Explicações MACS

Explicações Português

Explicações Química

Entre outras…

Estamos em Odivelas, Rua Vieira da Silva, lote 11, loja B, Quinta Nova, 2675-209 Odivelas

Preparação para Maiores 23 anos e Apoio ao Ensino Superior

Também temos aulas ao domicílio

visite-nos: www.aulasaodomicilio.com

Professores experientes e muito competentes.

Boa taxa de sucesso em anos anteriores

Quem somos

A Kids.com é uma empresa especializada em aulas particulares nos nossos centros e ao domicílio.

Desde 2004 que ajudamos os nossos alunos a melhorarem o seu desempenho e a atingirem o sucesso escolar !

Sabemos bem como a aposta no futuro é necessária. Assim sendo, a Kids.com é um centro de ensino que promove explicações, cursos de informática e cursos de línguas para pessoas de todas as idades.

Os Centros de Estudos Kids.com dispõem de uma vasta equipa de professores multidisciplinares, que permite abranger várias áreas de ensino.

As aulas são realizadas individualmente no nosso espaço em frente à Escola Secundária Braamcamp Freire, na Pontinha, nas instalações da papelaria Cruza Rituais.

Reserve já a sua inscrição

Preços

Preços Explicações Odivelas

Preços Explicações Odivelas

One + One

2 amigos = 50% de desconto para cada

(promoção não acumulável com outras existentes)

Contactos

91 818 70 95, 21 931 23 97

email: info@kids.com.pt

visite-nos: www.explicacoesodivelas.pt

Exercícios de Exame – Poupança e Investimento

Exercícios de Exame – Poupança e investimento

  1. A aplicação da poupança em produtos financeiros disponibilizados por intermédio de instituições financeiras denomina-se…
    • financiamento;
    • investimento;
    • entesouramento;
    • colocação financeira;
  2. A aquisição de bens tangíveis designa-se…
    • investimento de substituição;
    • investimento imaterial;
    • investimento de capacidade;
    • investimento material;
  3. Classifica-se como investimento material a…
    • compra de um televisor por uma família;
    • compra de um autocarro por uma empresa de transportes;
    • despesa efectuada em publicidade pelas empresas;
    • despesa efectuada na compra de acções por uma família;
  4. As famílias podem aplicar a sua poupança em…
    • despesas de consumo e pagamento de salários;
    • depósitos bancários e compra de acções;
    • consumos intermediários e depósitos bancários;
    • investimentos produtivos e despesas de consumo.
  5. Um dos motivos que pode levar uma família a realizar poupanças é …
    • o seu rendimento ser insuficiente para o montante habitual dos encargos suportados com o consumo;
    • ter contraído recentemente um empréstimo à habitação;
    • o rendimento auferido ultrapassar o montante habitual dos encargos suportados com o consumo;
    • ter obtido um cartão de crédito;
  6. A aquisição de bens intangíveis designa-se…
    • investimento de substituição;
    • investimento imaterial;
    • investimento de capacidade;
    • investimento material;
  7. A canalização da poupança para a manutenção ou aumento da capacidade produtiva das unidades de produção denomina-se…
    • financiamento;
    • investimento substituição;
    • investimento capacidade;
    • colocação financeira;

 

Poupança – definição

Poupança – definição

Poupança - definição

Poupança – definição

Toda a parte do rendimento disponível que não é gasta em consumo é a poupança.

A poupança é importante porquê?

  • Cria reservas de capital;
  • Permite o acesso ao investimento

Toda a poupança é que gera o investimento.

A parte do rendimento disponível que é consagrada à poupança pode ser utilizada de várias formas:

Colocação financeira

Entesouramento

Investimento

 

 

Fatores a considerar na produção de um bem

Fatores a considerar na produção de um bem

O que produzir? (O quê?)

Para quem produzir (Para quem?, procura);

Quanto produzir? (Quantidades produzidas)

Como produzir? (modo de produção, tecnologia, gestão de recursos, etc.)

Fatores que influenciam a oferta de um bem

Objetivo das empresas;

Preço que se pretende vender;

Preços dos outros bens, relacionados ou não

Custo dos fatores de produção

Nível de desenvolvimento tecnológico

Estrutura de mercado

Função de produção de uma empresa

Existe uma relação entre a quantidade necessária de fatores de produção e a quantidade de produto que podemos obter;

Quantidade máxima de produto que podemos produzir com uma dada quantidade de fatores de produção, é definida para um desenvolvimento técnico e um conhecimento tecnológico determinado.

Pressupõe:

Escolha do bem a produzir

Tecnologia a utilizar

Objetivos empresariais

Função produção F(v1,v2)

V1 – fatores variáveis

V2 – fatores fixos

Na função produção temos a fronteira das possibilidades de produção. Representa a quantidade máxima que podemos produzir utilizando ao máximo os fatores fixos.

Existe a relação com o conceito do custo de oportunidade porque para produzir mais do bem a, vou ter que abdicar do bem b.

Relação entre quantidade de produto e quantidade de recursos (capital, terra e trabalho)

Produto total: é a quantidade total do produto que podemos obter a partir da adição sucessiva de um ou vários fatores de produção

Varia com o aumento de um ou mais fatores de produção

produo-e-custos-macroeconomia-e-microeconomia-10-638

Produto marginal é o produto que deriva de cada acréscimo de uma unidade do fator de produção.

Produto médio: relação entre produto total e unidades do fator de produção.

transferir (1)

Decisões do consumidor

Decisão do consumidor

Partimos do conceito da utilidade que atribui a cada bem e que pressupóe que o consumidor vai efetuar escolhas racionais. Vai escolher a combinação de bens que lhe proporcione a maior satisfação, tendo em conta as restrições de rendimento e disponibilidade de bens.

O consumidor para atingir o máximo de satisfação deve fazer opções de consumo até atingir a utilidade marginal da unidade monetária de cada bem seja igual em todos os bens.

 

Curva consumo rendimento

images

Curva que vai unir os ponto otimos para os diferentes níveis de rendimento.

Lugar geométrico dos pontos de consumo ótimo de dois bens, para certos níveis de preços e vários valores de rendimento.

Curvas de indiferença

transferir (2)

As curvas de indiferença representam o conjunto de pontos indiferentes ou com a mesma utilidade, em termos de decisões de consumo por parte do consumidor.

Curva é negativa porque à medida que se vão retirando unidades de um bem, é necessário introduzir utilidades de outro bem.

As curvas nunca se intersetam e quanto mais afastadas para o lado direito maior a sua utilidade.

Mapa de indiferença

Traça todas as curvas por pontos no espaço, por cada ponto no espaço representa uma combinação de quantidades de dois bens passa uma e só uma curva de indiferença.

slides-aula-3economia1-14-638

Cada uma das curvas acima representa níveis de utilidade superiores.

Taxa marginal de substituição (TMS)

Representa a relação ou rácio ao qual o consumidor está disposto a trocar um bem pelo outro.

Representa a utilidade relativa entre 2 bens.

Em cada ponto da curva de indiferença a TMS é dada pela tangente à curva nesse ponto.

text-html-img1

 

Determinantes da procura

Determinantes da procura

Gostos ou preferências; por ex: Moda, a publicidade

Rendimento: As opções vão alargar-se….

Informação: A informação proporciona uma melhor escolha

Expetativas: Teoria das expetativas, Se uma pessoa souber que no final do mês vai ter um aumento, ainda antes desse aumento já vai começar a gastar mais dinheiro.

Preços de outros bens: Efeito rendimento e o efeito substituição

Se o preço de um determinado bem complementar aumentar ou outro vai diminuir porque estão diretamente relacionados.

Efeito substituição: O preço de Macdonalds é muito mais caro que o KFC, então, vou substituir a minha opção do Mac para KFC.

Sazonalidade: Por ex: a procura de gelados é maior no verão. A procura de guarda chuvas é maior no inverno.

Oferta – Disponibilidade por parte do produtor para oferecer bens e serviços.

Oferta individual: Oferta de cada um dos produtores.

Oferta Global, agregada ou de mercado: Toda a disponibilidade que os produtores de uma determinada economia estão dispostos a produzir perante um determinado nível de preços.

 

Papel do Estado

Papel do Estado

Funções Políticas:

O Estado no decorrer da sua atividade garante:

Gestão da adminstração pública;

A defesa nacional;

Representação diplomática;

Manutenção da ordem pública (Segurança e Ordem pública);

Administração da justiça;

Criação de mecanismos para dinamizar, regular e planificar a atividade económica.