Produção de bens e serviços

Capitulo -Produção de bens e serviços
A produção de bens e serviços
Desemprego

O desemprego representa a situação de inatividade forçada da mão de obra abrange os que procuram um emprego mas que não o conseguem encontrar.

População desempregada é a parte da população ativa que, embora tenha capacidade para o exercício de uma profissão remunerada, temporariamente ou não e por razões alheias à sua vontade não estão a exercê-la.

Taxa de desemprego = (nº de desempregados/pop. ativa) X100

A taxa de atividade indica-nos a percentagem da população residente num país  com capacidadade para o exercício de uma atividade remunerada. Esta informação é importante para que os governos dos Estados, responsáveis pela poplítica macroeconómica, possam tomar as necessárias medidas económias e sociais.
Tipos de desemprego
Desemprego voluntário

está relacionado com razões de ordem pessoal do trabalhador: mudança de residência entre localidades distantes, opção de uma mulher por ficar em casa a tratar dos filhos, mudança de atividade por insatisfação, etc.

Hoje em dia, nas sociedades mais desenvolvidas, na quase totalidade dos casos, os trabalhadores recebem um subsídio de desemprego por parte do Estado. Nesta situação, podemos considerar vários efeitos do desemprego.

O desemprego constitui um encargo para a sociedade, já que sendo indemnizado, pesa sobre a população ativa e empresas, uma vez que são elas que pagam os impostos e as contribuições donde sai o dinheiro.
O desemprego tende a provocar a subida dos preços, uma vez que os desempregados, não contribuindo para a produção e continuando a consumir, tornam os bens mais escassos, aumentando o seu valor de troca.
As mutações tecnológicas que acompanham o crescimento económico originaram o desemprego tecnológico, o qual afeta as categorias socioprofissionais menos qualificadas.

Medidas de prevenção e ativação para desempregados

As medidas de prevenção e ativação para desempregados vão no sentido de:

fomentar a formação profissional dos jovens, nomeadamente através de estágios profissionais
fomentar a formação profissional para desempregados
apoiar a criação do próprio emprego

Medidas de inclusão social visam a inserção no mercado de trabalho, sobretudo de pessoas com deficiências ou com muito baixo nível de instrução e qualificação profissional.

Ao mesmo tempo, têm vindo a ser implementadas:

Medidas de promoção das aprendizagens ao longo da vida com vista a combater o desemprego tecnológico.

Medidas de combate à desigualdade de oportunidades de que as mulheres são vítimas.

A politica de emprego e formação profissional é um instrumento do processo do desenvolvimento económico do país. Desta forma a formação profissional, inicial e ao longo da vida assumem um papel muito importante:

pelo reconhecimento da sua função essencial para o aumento da produtividade nas empresas, através de uma melhor qualificação dos recursos humanos.

pelo impacto da inovação tecnológica e organizacional, exigindo um aumento das qualificações de base dos diversos agentes produtivos tendo em vista uma melhor e mais rápida adaptação às mudança

pelas novas qualificações requeridas para as profissões tradicionais e respectivos perfis redefinidos
Cimeira do Luxemburgo

Foi uma cimeira promovida pela UE que definiu como grande prioridade as políticas de emprego e a adoção de medidas preventivas do desemprego, que deveriam assentar:

na empregabilidade dos candidatos a emprego;
na adaptabilidade das empresas e dos trabalhadores às mutações tecnológicas
na igualdade de oportunidades entre homens, mulheres e pessoas deficientes

Consequências do desemprego -1

O desemprego quando elevado, proporciona o surgimento de um mercado negro de trabalho uma vez que ao verem os seus rendimentos baixarem apesar de receberem subsídios aceitam trabalhar para empresas pouco éticas que para reduzirem os custos com os encargos sociais os contratam em situação ilegal.

O desemprego tende a provocar a subida de preços, uma vez que os desempregados, não contribuindo para a produção e continuando a consumir, tornam os bens mais escassos, aumentando o seu valor de troca.

O desemprego constitui um encargo para a sociedade, já que, sendo indemnizado, pesa sobre a população ativa e empresas, uma vez que são elas que pagam os impostos e as contribuições sociais de onde sai esse dinheiro.

Medidas de inclusão social: visam a inserção no mercado de trabalho sobretudo de pessoas com deficiências ou com muito baixo nível de instrução e qualificação profissional.
Taxa de atividade

A taxa de atividade indica-nos a percentagem da população disponível para trabalhar, mas também a parte da população que trabalha relativamente à população consumidora.

Esta informação é importante para que os governos dos Estados, responsáveis pela política macroeconómica, possam tomar as necessárias medidas económicas e sociais.

Contudo, na taxa de atividade está contida a população desempregada, pelo que para um conhecimento concreto da situação do trabalho temos que considerar os valores e as causas do desemprego.
População ativa e inativa

População ativa representa todos os indivíduos que desempenham atividades remuneradas ou os que embora nãoo estejam empregados se encontrem à procura de emprego.

População inativa é composta por todas as pessoas que não desempenham atividades remuneradas onde se incluem os indivíduos com idade inferior a 15 anos ou superior a 64 anos. Os estudantes, as donas de casa, os deficientes, os inválidos, as crianças, os reformados ou os pensionistas fazem parte da população inativa.
As economias de escala surgem associadas

A uma maior divisão e especialização do trabalho;
A utilização da automação e de tecnologia mais avançada

A utilização de processos produtivos normalizados;
A maior capacidade de negociar os preços de venda do bem e as condições de crédito.

Fatores relacionados com as economias de escala

melhor organização do trabalho e da direção

facilidades de financiamento e de acesso a equipamentos de elevada tecnologia

redução de custos de certas atividades administrativas e de comercialização.
Deseconomias de escala

Situação que ocorre pelo aumento do custo médio devido ao aumento da dimensão da unidade de produção (empresa).

Fatores determinantes das deseconomias de escala:

Dificuldades de coordenação do trabalho

desperdícios

desmotivação dos trabalhadores

aumentos das tensões sociais

aumentos dos custos de produção de certas atividades como transportes
Organização cientifica do trabalho

A organização cientifica do trabalho trouxe inúmeros aspetos positivos à atividade produtiva, nomeadamente:

Eliminação dos movimentos inúteis através da sistematização das operações de fabrico;
Adaptação dos trabalhadores às tarefas que lhes são cometidas;
Acréscimo de produção com menor dispêndio de recursos;
Diminuição dos custos de produção permitindo aumentar a remuneração do trabalho e diminuir o preço de venda dos bens com os naturais  efeitos positivos na procura;
Aumento do consumo e, consequentemente, da produção com os naturais ganhos provenientes da produção em série.

Racionalização do trabalho

A racionalização do trabalho consiste na organização do trabalho em termos cientificos

Benefícios: Aumento da produção, redução dos custos, aumento da eficácia do processo produtivo (produtividade)

Custos: Redução da criatividade e do espírito de iniciativa, desmotivação profissional, aparecimento de doenças específicas. Desemprego tecnológico.
Divisão natural do trabalho

É  a divisão mais simples do trabalho com base no sexo e na idade.
Divisão social do trabalho

Com a evolução da atividade económica surgiram novas atividades e gradualmente, passou-se a assistir à divisão do trabalho por profissões. Foi com a Revolução Industrial que o principio da divisão do trabalho se mais desenvolveu.
A divisão técnica do trabalho

A divisão técnica do trabalho permite:

aumentar a produção no mesmo tempo de trabalho e com igual ou menor dispêndio de recursos materiais, humanos e financeiros;
Economizar ou reduzir os esforços, dado que sendo cada tarefa desempenhada por um grupo específico de trabalhadores eles adquirem uma maior eficiência considerando o profundo conhecimento que poderâo ter dos instrumentos e das técnicas de trabalho;
Reduzir os custos de produção, pois garante a continuidade do trabalho e o dispêndio de menores recursos para a produção de bens.

Em termos gerais pode afirmar-se que a divisão técnica do trabalho se traduz no aumento do rendimento de cada trabalhador e dos instrumentos de trabalho acompanhado de uma melhoria da qualidade do serviço prestado ou do bem produzido.
Especialização do trabalho

Especialização do trabalho vantagens e desvantagens

Vantagens: maior produtividade

Desvantagens: Enfraquecimento das capacidade de crítica de iniciativa, desmotivação, cristalização profissional (excesso de divisão do trabalho), desemprego tecnológico.
Normalização do trabalho

A normalização do trabalho consiste na substituição de um conjunto extremamente diversificado de produtos por um nº restrito de tipos «standard» de produção. É desta forma possível produzir bens com qualidade a mais baixo custo.
Diferentes formas de trabalho

Existem diferentes formas de trabalho conforme o esforço predominante:

Trabalho manual: o que exige, predominantemente esforço físico

Trabalho inteletual: o que exige predominantemente esforço inteletual

Trabalho direto: o que é realizado através do manuseamente dos objetos de trabalho

Trabalho indireto: o que é realizado sem a atuação direta do executante

Trabalho de execução: o que é executado sob a direção de outrem

Trabalho de inovação: todo o trabalho de criação, pequisa ou descoberta (científica ou artistica).

Ao nível do trabalho, a divisão natural do trabalho, divisão de tarefas em função do sexo e da idade, das sociedades ancestrais seguiu-se a repartição das tarefas do processo produtivo por profissões- divisão social do trabalho.

Custos de produção

Os custos totais de uma produção equivalem à soma de todas as despesas realizadas para a sua obtenção.

Custos fixos: os que existem independentemente das quantidades produzidas, por exemplo renda do imóvel.

Custos variáveis: os que variam consoante as quantidades produzidas.

Lei dos rendimentos decrescentes:

Quando se aumenta em quantidade um fator de produção mantendo-se o outro constante, a partir de um certo limite, a produtividade marginal desse fator torna-se decrescente.
Diferentes formas de capital

Capital Circulante: consideramos as matérias-primas e matérias subsidiárias que desaparecem por terem sido totalmente incorporados nos produtos acabados.

Temos por exemplo: Matérias primas e matérias subsidiárias

Capital Fixo: São os meios que não desaparecem com o processo produtivo, podem estar integrados no processo produtivo por vários períodos. Contudo sofrem sempre algum desgaste. Por exemplo, maquinaria, edifícios, meios de transporte, computadores,etc.

Temos por exemplo: instrumentos de trabalho, edifícios e terrenos, etc.

Capital técnico: inclui todos os bens que possibilitam ou facilitam a produção de outros bens. O capital técnico, inclui os bens cuja utilização é indispensável para o processo produtivo, como instrumentos de trabalho, a maquinaria, os edifícios,as matérias-primas, as matérias subsidiárias,etc.

Capital financeiro é constituído pelo conjunto de todos os meios financeiros utilizados no processo produtivo tais como: moeda, acções, títulos de crédito, empréstimos, etc. O capital financeiro pode ser próprio ou alheio, consoante pertença, ou não ao agente que empreendeu o processo produtivo.

Capital natural: quando nos referimos aos recursos naturais

Capital humano: está relacionado com a instrução e formação dos indivíduos. O rendimento que um individuo pode ter está relacionado com o nível de competências (skils) que possui.

Terciarização da economia:

A terciarização da economia é o processo através do qual os serviços se tornam a atividade principal, abrangendo a maior parte da população ativa. Além disso, a terciarização afeta todos os setores, traduzindo-se numa transformação intersetorial.