Financiamento externo indireto – o crédito

Financiamento externo indireto – o crédito

As empresas, quando necessitam de fundos que não dispõem, recorrem, por vezes, às instituições financeiras com o intuito de obterem crédito. O crédito consiste na cedência temporária de uma determinada quantia tendo como contrapartida os juros. O acordo estabelecido entre o detentor do capital (mutuante) e o beneficiário do crédito (mutuário) é realizado por meio de um contrato: o contrato de mútuo (empréstimo). Esse empréstimo pressupõe que o montante cedido seja devolvido ao seu proprietário nas condições acordadas, assim como os juros devidos devidos lhe devem ser pagos nas datas previamente acordadas.

O crédito tem uma grande importância para a economia, permite potenciar o seu crescimento. O crédito estimula a produção, viabilizando o investimento das empresas e possibilitando o seu financiamento pontual para a resolução de problemas de tesouraria, quer o consumo das famílias, ao permitir-lhes adquirir antecipadamente os bens que desejam.

Diferentes tipos de crédito

Quanto à duração:

Curto prazo: quando o período de crédito concedido é inferior a um ano;

Médio prazo: quando o período de crédito concedido está compreendido entre um e cinco anos;

Longo prazo: quando o período de crédito concedido é superior a cinco anos;

Quanto ao beneficiário

Privado: quando o beneficiário do crédito é um individuo ou uma empresa particular;

Público: quando o beneficiário do crédito é o Estado;

Quanto à sua origem

Interno: quando a instituição que concede o crédito reside em território nacional;

Externo: quando a instituição que concede o crédito reside em território estrangeiro.

Quanto à finalidade

crédito à produção : crédito concedido às empresas

Existem 2 tipos principais:

Crédito ao funcionamento: crédito concedido para resolver necessidades pontuais de tesouraria, sendo, geralmente, de curta duração.

Crédito de financiamento: crédito para investimento, que, normalmente, é de longa duração.

Crédito ao consumo:

Tipo de crédito destinado às famílias para a aquisição de bens de consumo.

Diferentes tipos de garantias

Os bancos tendem a conceder créditos ou empréstimos quando consideram que os devedores oferecem confiança no que respeita ao cumprimento do contrato.

Em muitos casos eles pedem aos seus clientes a entrega de garantias adicionais como forma de assegurar o cumprimento integral dos contratos.

Garantias reais, se implicam uma entrega acessória de bens do património do devedor ou de terceiros, caso responsabilizem mais pessoas e as envolvam no pagamento da dívida, como acontece com os fiadores.

Os bancos são as instituições que se dedicam, por um lado à captação das poupanças daqueles que dispõe de capital excedentário, daqueles que estão disponíveis para não utilizar o seu dinheiro durante um determinado período de tempo e por esse motivo receberem em troca o juro.

Por outro lado, os banco utilizam parte das poupanças captadas para as disponibilizar aos indivíduos que necessitam de financiamento, concedendo-lhe, assim, crédito.