Destinos da poupança – importância do investimento

Destinos da poupança – importância do investimento

A poupança representa a parte do rendimento disponível que não é gasta em consumo.

Desta forma a parte do rendimento disponível que é dedicada à poupança pode ser aplicada de diversas formas.

Colocação financeira, Entesouramentos, Investimento

A colocação financeira: consiste na aplicação da poupança em produtos financeiros disponibilizados por intermédio de instituições financeiras. Temos como exemplo: os depósitos a prazo, as acções, as obrigações, os certificados de aforro, bilhetes do tesouro, os planos de poupança ou os fundos de investimento, uma panóplia de produtos tão variados que torna importante definir um critério para a sua escolha.

A seleção do produto mais adequado para cada aforrador deve ter em atenção os seguintes aspetos:

risco: se o produto garante, ou não, uma determinada rentabilidade ou se a sua taxa de rentabilidade é fixa ou variável;

rentabilidade: se o rendimento esperado do produto é mais ou menos elevado;

liquidez: se o título é mais ou menos facilmente convertível em moeda;

fiscalidade: se existem benfícios fiscais associados ao produto e o tipo de tributação que incide sobre os rendimentos daí derivados.

Entesouramento:  ocorre  quando a poupança fica à guarda dos seus proprietários ou, caso fique à guarda dos seus proprietários ou, caso fique à guarde de terceiros não tem como propósito a rentabilização do património, mas sim preservar o seu valor.

Temos como exemplo épocas históricas de hiper-inflação que o dinheiro perdeu tanto valor que os agentes económicos tentavam de todos os modos encontrar maneira de não perderem o valor.

Investimento: é uma outra alternativa para utilização da poupança. Neste caso canalizamos a poupança para a atividade produtiva e desta maneira manter ou aumentar a capacidade produtiva.

A poupança pode assim ser usada na substituição de equipamentos e na reposição de stocks das matérias primas utilizadas no fabrico de bens.

O investimento também pode ser designado de formação de capital e este divide-se em 2 componentes:

Formação bruta de capital fixo (FBCF), que designa o valor do investimento líquido realizado com a aquisição de bens duradouros (capital fixo) juntamente com o valor do capital fixo que foi consumido as amortizações. Podemos ter investimento de substituição ou investimento de capacidade.

Variação de existências: representa as oscilações dos stocks de existências entre dois períodos diferentes. Consideramos normalmente o período de 1 ano. O seu cálculo é efetuado pela subtração entre o valor das matérias primas, produtos semi-acabados e produtos acabados existentes no inicio do ano (dia 1 de Janeiro) ao valor existente no final do ano (31 de Dezembro), apurando-se, desse modo, as variações dos stocks de existências que ocorreram ao longo do ano.

Investimento quanto à natureza:

Investimento material: quando se refere à aquisição de bens tangíveis, compra de bens com existência física, bens corpóreos.

Investimento imaterial: quando se refere à aquisição de bens intangíveis, bens não corpóreos, como a prestação de serviços relacionados com a formação de I&D, aquisição de marcas, patentes, software informático, despesas com publicidade,etc….

Investimento financeiro: se envolve a aquisição de ativos financeiros, como, por exemplo, ações ou obrigações.

Investimento quanto à função

Investimento de substituição: ou de renovação pretende assegurar a manutenção da capacidade produtiva através da reposição do capital à medida que este vai sendo utilizado.

Investimento de inovação ou racionalização: permite manter os equipamentoss e os processos de fabrico tecnologicamente atualizados para garantir a eficiência e competitividade das unidades produtivas.

Investimento de capacidade: permite o aumento da capacidade produtiva da unidade de produção através da aquisição de mais bens de equipamento.

Investimento: quanto ao agente

Investimento Público: investimento em infra-estruturas públicas, como vias de comunicação, pontes, escolas ou hospitais.

Investimento Privado: Efetuado pelo Estado ou por agentes privados.