Category Archives: Sem categoria

Questões capítulo X – Relações económicas com o resto do mundo

Questões capítulo X – Relações económicas com o resto do mundo

1 – O peso o comércio externo de um país…

a – Traduz a evolução das exportações desse país ao longo do tempo.

b – traduz o grau de abertura desse país ao exterior.

c- permite averiguar se o valor das exportações é suficiente para cobrir o valor das importações

d – traduz as oscilações cambiais.

2 – Nos últimos anos tem-se assistido à intensificação das relações económicas entre os diversos países.

  1. Como justificas a existências dessas relações?
  2. Distingue comércio externo de comércio internacional.

3 – A Balança Corrente engloba…

1 – os movimentos de capitais provenientes do exterior.

2 – as vendas de mercadorias ao estrangeiro.

3 – os investimentos das empresas nacionais no estrangeiro.

4 – a aquisição de patentes estrangeiras.

4- Um país detêm uma vantagem absoluta na produção de um bem…

  1. quando produz esse bem com um custo relativo inferior a outro país.
  2. quando a sua elevada produtividade lhe permite produzir esse bem ao menor custo possível.
  3. quando se especializa na produção de muitos bens.
  4. quando produz uma grande quantidade desse bem.

5 – A taxa de cobertura de um país é inferior a 100% quando…

  1. o valor das suas importações é superior ao valor das suas exportações;
  2. o valor das suas importações é inferior ao valor das suas exportações.
  3. o total das importações e exportações é inferior ao seu PIBpm.
  4. o valor das suas exportações é inferior ao seu PIBpm.

6 – O conceito associado à especialização de cada país na produção de alguns produtos e aquisição dos restantes ao Resto do Mundo intitula-se…

1 – A divisão natural do trabalho;

2 – Vantagem absoluta;

3 – Divisão Internacional do Trabalho.

4 – Internacionalização da produção.

 

Questões de revisão – Rendimentos e Repartição dos Rendimentos

Questões de revisão – Rendimentos e Repartição dos Rendimentos

  1. A remuneração pela cedência temporária de uma determinada quantia em dinheiro intitula-se…
    1. Juro.
    2. Taxa de câmbio.
    3. Credito.
    4. Unidade de participação
  2. A curva de Lorenz permite constatar…
    1. As desigualdades na repartição pessoal dos rendimentos.
    2. O rendimento médio anual recebido por cada habitante.
    3. A quantidade média de bens e serviços que cada habitante adquire.
    4. O peso do factor trabalho no valor do produto.
  3. O salário real…
    1. Corresponde ao total das remunerações do trabalhador depois de se deduzirem os impostos e contribuições sociais.
    2. Corresponde ao poder de compra do salário nominal.
    3. Corresponde ao rendimento pessoal disponível.
    4. Corresponde à quantidade de moeda que um indivíduo recebe em troca de trabalho.
  4. Sabendo que o leque salarial de um país representa a relação que existe entre o salário máximo e o salário mínimo desse país, através da sua análise podemos tirar conclusões sobre…
    1. A dispersão dos rendimentos primários;
    2. A convergência dos níveis de rendimento de diversos países.
    3. O número de vezes que o salário máximo é superior ao salário mínimo.
    4. A disparidade entre os rendimentos de capital.
  5. Os salários, as rendas, os juros e os lucros constituem…
    1. Rendimentos primários;
    2. Receitas correntes;
    3. Rendimentos secundários;
    4. Receitas extraordinárias.
  6. Sabendo que, o ano x, o índice de Preços no Consumidor foi 103 e que no ano seguinte passou a ser 105, calculando a taxa de inflação do ano (x+1), ficamos a saber que esta era aproximadamente…
    1. 0,019%
    2. 9,8%
    3. 1,9%
    4. 2%
  7. O processo que visa corrigir as desigualdades provocadas pela repartição dos rendimentos designa-se…
    1. Repartição primária;
    2. Redistribuição do rendimento.
    3. Leque salarial.
    4. Formação bruta de capital fixo.
  8. Os impostos indiretos…
    1. Recaem sobre a utilização do rendimento.
    2. Recaem sobre o rendimento.
    3. Recaem sobre a produção.
    4. Incidem sobre as vendas.
  9. O aumento dos salários nominais dos trabalhadores implica, necessariamente, um aumento do seu salário real. Esta afirmação é …
    1. Verdadeira, porque com o aumento dos salários nominais os trabalhadores recebem mais dinheiro.
    2. Falsa, porque a inflação pode ser superior ao aumento dos salários nominais.
    3. É verdadeira, porque o aumento dos salários nominais implica um aumentos do nível de vida.
    4. Falsa, porque não existe qualquer relação entre salário nominal e salário real.
  10. O leque salarial…
    1. Traduz o nível de concentração dos rendimentos de um país.
    2. Traduz a amplitude da variação entre o salário mínimo e máximo.
    3. Permite calcular o rendimento pessoal disponível das famílias.
    4. Permite calcular o salário real das famílias.

 

 

  1. O lucro é…
    1. A diferença entre o preço de venda e o valor dos impostos pagos.
    2. Uma forma de rendimento do dinheiro emprestado.
    3. O valor de venda dos bens pelas empresas.
    4. Uma das formas de remuneração do capital investido.
  2. Constituem formas de remuneração do fator capital…
    1. Os salários, as rendas e os juros;
    2. As rendas, os juros e os lucros;
    3. Os salários e os empréstimos;
    4. Os impostos e as contribuições para a Segurança Social
  3. A remuneração que é considerada antes de se descontarem os impostos e as contribuições para a Segurança Social que os indivíduos têm que pagar ao Estado é…
    1. Salário ilíquido;
    2. Salário real;
    3. O rendimento disponível;
    4. O salário líquido.

 

  1. A repartição funcional do rendimento…
    1. Permite analisar a composição dos rendimentos por agregado familiar.
    2. Considera a divisão do rendimento segundo a profissão do agente.
    3. É a distribuição do rendimento que ocorre de acordo com as funções desempenhadas por cada interveniente na atividade económica.
    4. Considera a divisão do rendimento segundo o estrato social do agente.
  2. O salário que resulta depois de se deduzirem os impostos e as contribuições sociais ao salário bruto denomina-se salário…
    1. Ilíquido.
    2. Líquido.
    3. Real .
    4. Nominal.

 

 

 

 

  1. Os impostos que recaem diretamente sobre o rendimento e o património designam-se por…
    1. Impostos diretos;
    2. Impostos indiretos;
    3. Taxa social única;
    4. Contribuições para a Segurança Social.
  2. O conjunto de operações, realizadas numa lógica social, com o objetivo de corrigir as desigualdades decorrentes da repartição primária dos rendimentos designa-se…
    1. Justiça social.
    2. Redistribuição dos rendimentos.
    3. Estado de direito.
    4. Estado – providência.
  3. O salário real…
    1. É superior ao salário nominal.
    2. Representa a quantidade recebida em troca da força de trabalho.
    3. É inferior ao salário nominal.
    4. Traduz o nível de vida e o poder de compra dos indivíduos.

 

 

  1. Consideram-se rendimentos primários…
    1. Os impostos e as contribuições para a Segurança Social.
    2. Os salários, as rendas, os juros e os lucros.
    3. As transferências sociais.
    4. As reformas dos emigrantes.

 

 

  1. A repartição pessoal do rendimento…
    1. Permite analisar a composição dos rendimentos por agregado familiar.
    2. Considera a divisão do rendimento segundo a profissão do agente
    3. É a distribuição do rendimento que ocorre de acordo com as funções desempenhadas por cada interveniente na atividade económica.
    4. Considera a divisão do rendimento segundo o estrato social do agente.
  2. A curva de Lorenz..
    1. Permite comparar a repartição pessoal dos rendimentos de um país em várias épocas ou com países diferentes.
    2. Serve para analisar a repartição funcional do rendimento.
    3. Permite analisar a evolução da formação bruta de capital fixo durante um ano.
    4. Serve para comparar o investimento direto estrangeiro com o investimento direto português no estrangeiro.
  3. A forma de salário que representa a quantidade de moeda que um indivíduo recebe em troca do seu trabalho designa-se…
    1. Salário nominal
    2. Salário bruto.
    3. Salário real.
    4. Salário ilíquido.

 

 

  1. O rendimento pessoal disponível resulta…
    1. Da remuneração auferida pelas famílias pela sua participação na atividade económica.
    2. Da soma dos rendimentos primários com os secundários deduzida dos impostos e das contribuições sociais.
    3. Do rendimento pessoal deduzido dos impostos e das contribuições sociais.
    4. Dos rendimentos primários acrescidos das transferências sociais.
  2. As curvas de Lorenz permite estudar…
    1. O grau de concentração dos rendimentos.
    2.  O impacto da inflação no poder de compra de uma população.
    3. O nível de endividamento dos indivíduos de uma região.
    4. A evolução dos stocks de existências ao longo de um ano.

 

  1. O leque salarial permite medir…
    1. O salário médio de um país.
    2. O valor do salário real.
    3. A desigualdade nos salários.
    4. A desigualdade entre países.
  2. O instrumento de análise estatística que permite comparar a repartição pessoal dos rendimentos de um país, em diferentes épocas ou com outros países, designa-se…
    1. Leque salarial.
    2. Curva de Lorenz
    3. Orçamento de Estado.
    4. Salário mínimo
  3. É exemplo de um imposto direto…
    1. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS).
    2. Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA).
    3. Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP).
    4. Imposto sobre o Tabaco (IT).
  4. Contabilizam-se como parcelas positivas no cálculo do Rendimento Pessoal Disponível…
    1. Os rendimentos primários e as remessas dos emigrantes.
    2. As quotizações sociais e os impostos diretos.
    3. Os impostos diretos e os rendimentos primários.
    4. As remessas dos emigrantes e as quotizações sociais.
  5. Os salários reais aumentam se…
    1. Os salários nominais subirem o mesmo que os preços.
    2. Os salários nominais subirem menos do que os preços.
    3. Os salários nominais se mantiverem e os preços descerem.
    4. Os salários nominais se mantiverem e os preços estagnarem.
  6. A remuneração que os proprietários recebem por cederem terrenos para a atividade produtiva designa-se por…
    1. Salário.
    2. Lucro.
    3. Juro.
    4. Renda.

 

 

  1. Os rendimentos primários, recebidos pelos agentes económicos em consequência da sua participação no processo produtivo, são constituídos por…
    1. Rendas, juros, lucros e salários.
    2. Rendas, lucros, remessas e transferências.
    3. Salários, juros, subsídios e remessas.
    4. Salários, rendas, subsídios e lucros.
  2. O rendimento disponível das famílias aumenta (permanecendo tudo o resto constante) se…
    1. Diminuir a taxa de juro dos empréstimos.
    2. Diminuir o valor dos impostos diretos.
    3. Aumentar o valor dos impostos indiretos.
    4. Aumentar a taxa de inflação.
  3. O leque salarial é um indicador…
    1. Do nível dos salários reais.
    2. Da desigualdade nos salários.
    3. De relação entre salários de diferentes países.
    4. Do valor do salário médio.
  4. O poder de compra das famílias resulta da relação do seu rendimento disponível com…
    1. O tipo de bens que adquirem.
    2. O nível geral dos preços no consumidor.
    3. A sua capacidade de poupança.
    4. O grau de satisfação das suas necessidades.
  5. O pagamento de lucros aos acionistas de uma empresa de transporte integra-se na atividade económica designada por:
    1. Distribuição;
    2. Repartição dos rendimentos;
    3. Produção;
    4. Redistribuição de rendimentos.

 

 

Capitulo 5 – Preços e mercados

Capitulo 5 – Preços e mercados

Preços e mercados

Capitulo 5 - Preços e mercados

Capitulo 5 – Preços e mercados

Preços e mercados

Definição de mercado

representa o local onde se encontram a oferta e a procura de um bem a um determinado preço.

O mercado é, então o local, em sentido físico ou abstrato, onde se compatibilizam a oferta e a procura de um bem, a um determinado preço.

Temos vários tipos de mercados, por ex:

Mercado de Valores, Mercado Automóvel, Mercado de Trabalho, etc.

A teoria da oferta e da procura demonstra como as preferências dos consumidores determinam a procura dos bens, enquanto que os custos das empresas são a base da oferta.

Do equilíbrio entre a oferta e a procura resulta o preço e a quantidade transacionada de cada bem.

Mecanismo de mercado

O mecanismo de mercado revela a forma como se conjugam os interesses entre a oferta e a procura que possibilita a formação do preço de mercado dos bens.
Procura e lei da procura

A procura representa a quantidade de bens que os compradores estão interessados em adquirir a um determinado preço.

Quanto mais baixos forem os preços maior será a quantidade procurada.

Graficamente representa-se por uma curva decrescente.

images (1)

Procura individual: é a procura de cada um dos indivíduos  como consumidores

Procura agregada: somatório das procuras individuais

Para cada bem existe uma procura:

– Individual – quantidade de bem que o consumidor esta disposto a adquirir a um determinado preço

– Agregada – Soma de todas as procuras individuais por parte de todos os possíveis compradores de determinado bem (famílias, empresas)

Função da procura

A relação existente entre o preço de um bem e a quantidade comprada desse bem é designada função da procura ou curva da procura

Efeito substituição – Aumento do preço de um bem A, torna atraente a compra de outro bem B que satisfaça a mesma necessidade a um preço mais baixo.

Efeito rendimento – Se tudo o resto se manter constante, e se baixar o preço do bem A, o consumidor aumenta o seu poder de compra (como se rendimento fosse maior)

Lei da procura

lei da procura

Lei da procura

Outros factores que influenciam a procura

1 – nível de rendimentos dos consumidores

2 – preferências dos consumidores

3 – dimensão de mercado

4 – preços de outros bens (bens complementares ou bens sucedâneos)

Deslocações da procura

Quando existem alterações de fatores, que não o preço do próprio bem, que afetam a quantidade procurada, designam-se por deslocações da curva da procura.

A procura aumenta (ou diminui) quando a quantidade procurada para cada preço de mercado aumenta (ou diminui).

lei da oferta

lei da oferta

A oferta e a lei da oferta

A lei da oferta traduz uma relação positiva entre os preços e a quantidade oferecida. Isto é, quanto mais altos forem os preços maior é o nº de produtores disponíveis a produzir mais quantidade.

Oferta individual é a oferta de cada um dos produtores

oferta agregada: somatório de todas as ofertas individuais

Outros fatores que influenciam a oferta

1 – Custo de produção

2 – evolução tecnológica

3 – preços de outros bens

4 – expectativas dos produtores

5 – condições climatéricas

concorrencia imperfeita

concorrencia imperfeita

equilibrio orçamental

Estrutura dos mercados

Mercados de concorrência perfeita

Ela existe quando existem vários produtores que desejam vender o mesmo tipo de produtos e existem vários compradores.

Carateriza-se por um elevado nº de produtores e de compradores.

Pressupostos do mercado de concorrência perfeita

Atomicidade do mercado: existência de um elevado nº de compradores e vendedores de reduzida dimensão, que não conseguem, individualmente, influenciar significativamente o mercado, em particular, o seu preço.

Homogeneidade do produto: características dos produtos que são semelhantes em que para o consumidor é indiferente consumir uns ou outros.

Livre entrada no mercado: carateriza-se pela inexistência de obstáculos à entrada ou saída do mercado, podendo todos os seus participantes entrar ou sair livremente sem qualquer barreira.

Transparência perfeita: todos os intervenientes dispõem de um livre acesso às informações respeitantes ao mercado, nomeadamente sobre os preços praticados e a qualidade dos bens

Mobilidade dos fatores: os fatores de produção podem ser deslocados de uma unidade produtiva para outra, de modo a poder estar em cada momento na unidade que proporcionar maior rentabilidade.

Formação do preço em concorrência perfeita

No mercado de concorrência perfeita o preço é formado através do ponto de equilíbrio de mercado o preço de equilíbrio entre a oferta e a procura.

Preço de equilíbrio no mercado de concorrência

Sempre que falamos de um equilíbrio estamos a referir-nos a um preço e a uma quantidade em que são compatíveis os desejos dos consumidores e dos produtores. (procura e oferta)

Mercados de concorrência imperfeita

Não existe atomicidade. Existem empresas de grande dimensão que conseguem influenciar os preços e a quantidade de bens oferecidos.

Nem sempre se verifica a livre entrada no mercado porque a dimensão das empresas constitui por si só um obstáculo a qualquer nova empresa que tente entrar mercado.

Não existe homogeneidade de produtos existe um elemento diferenciador, os produto s têm caraterísticas especificas que os diferenciam.

Transparência de mercado: nem sempre as informações estão disponíveis a todos os intervenientes da mesma forma.

Monopólio

No monopólio um vendedor comercializa bens a muitos compradores. Os preços e as quantidades são fixados para maximizar o lucro.

Como representa um investimento de grande envergadura é muito difícil a entrada nesta mercado.

Concorrência monopolística

Neste caso existe um grande de empresas que comercializam produtos semelhantes que se diferenciam uns dos outros pela marca, publicidade, ou outra caraterística especifica.

Ver também: https://pt.wikipedia.org/wiki/Concorrência_monopolística

Oligopólio

é uma situação de mercado em que um nº reduzido de produtores  comercializar a um grande nº de consumidores.

A concorrência entre oligopólio prende-se em serviços pós venda,  nas garantias adicionais, e outros extras que os possam diferenciar.

É difícil entrar no mercado porque este se encontra dominado por poucas empresas de grande dimensão.

tipos de mercado

tipos de mercado

Estrutura dos Mercados

Associações e parcerias empresariais

Existem estratégias de redução de custos que possibilitam a obtenção de sinergias que possibilitam a criação de parcerias e associações empresariais.

Concentração horizontal

Consiste na reunião de empresas que fabricam o mesmo produto e desta forma podem beneficiar de economia de escala.

Concentração vertical

é a junção de empresas que trabalham em fases distintas da produção e desta fora podem reduzir-se os custos intermédios.

A empresas funcionam umas como fornecedoras das outras.

Concentração conglomeral

Cartel
Aquisição

Verifica-se quando uma empresa adquire outra que desta forma deixa de existir para passar a fazer parte da primeira.
Fusão (trust)

Consiste na associação de duas ou mais empresas de que resulta uma nova empresa que utiliza os fatores produtivos das anteriores.

Fusões e aquisições

Operações que conduzem a que o controlo de capital de uma empresa mude de mão. Procura-se obter ganhos de eficiência através do aproveitamento de economias de escala, da racionalização de processos, da criação de canais de distribuição alternativos, etc. Procurando constranger a concorrência.

– Na fusão – as empresas decidem fundir as suas atividades e organizar um controlo comum dos ativos.

– Na aquisição – amigável ou hostil – uma das empresas adquire participação na outra

Ambas tendem a incidir em sectores com elevada intensidade tecnológica (eletrónica, informática, automóvel, farmacêutica).

Ver joint venture

Related:

http://www.iapmei.pt/iapmei-art-03.php?id=1329

https://www.portal-gestao.com/artigos/6366-o-que-são-fusões-e-aquisições.html

Questões de exame preços e mercados

Índice de preços no consumidor

Índice de preços no consumidor

O índice de preços permite comparar a evolução real da produção ao longo do tempo. Os índices de preços representam as variações do preço de bens em diferentes períodos de tempo.

Índice de preços de um bem (ano x/ ano (x-1)) = (Preço do ano x/ Preço do bem ano x-1) X100

Índice de preços no consumidor – mede a evolução da inflação.

Taxa de inflação ano x = (IPC ano x – IPC ano x-1)/ IPC ano (x-1) X 100

Conceitos relacionados

Deflação: é a descida generalizada do preço de bens e serviços. A deflação está associada a uma redução da procura, da produção e do emprego.

Desinflação: é uma diminuição (desaceleração) da taxa de inflação, os preços sobem mas mais lentamente. Embora exista um aumento de preços este vai ser cada vez menor.

Estagflação: é um conceito associado a inflação com estagnação da atividade económica. Ocorre uma subida galopante do nível de preços, acompanhada por um nível de desemprego elevado o que provoca a estagnação da economia.

 

 

 

Relação entre inflação e o valor da moeda

Relação entre inflação e o valor da moeda

Relação entre inflação e o valor da moeda

Relação entre inflação e o valor da moeda

A inflação representa o aumento generalizado dos  preços dos bens e serviços.

Se a inflação é elevada, significa que vamos ter que despender de mais moeda para adquirir os bens e serviços.

Aumentando o volume de moeda por transação significa que a moeda perde o seu valor, aquilo que chamamos “inchaço da moeda”.

Em processos de deflação, isto é, uma descida generalizada dos preços normalmente existe a situação inversa.

 

 

Exercícios de Cálculo Financeiro

Exercícios de Cálculo Financeiro

Exercícios de Cálculo Financeiro

Exercícios de Cálculo Financeiro

  1. Determine, o valor do capital acumulado por uma unidade de 100 000€, durante 10 anos, à taxa de 10%.
  2. Determine o valor atual de uma renda de 50 000,00€, depositada à taxa de 7,59, durante 20 anos.
  3. Determine a taxa de uma renda anual de 100 000,00€ que, durante 30 anos se transforma no capital acumulado de 18 088 149, 425€
  4. Determine o período de investimento de uma renda anual de 60 000,00€ que à taxa de 20% tem o valor atual de 251 548,33€
  5. Determine o valor atual de uma renda antecipada de 15 000,00€, à taxa de 15%, durante 15 anos.
  6. Calcule, o valor acumulado de uma renda antecipada de 20 000,00€, à taxa de 20%, durante 20 anos.
  7. Considere uma renda de 25 termos mensais de 10 000,00€ cada, cujo primeiro vencimento se dá a 1/1/2017. Determine o valor atual relativo a 1/1/2915, considerando uma taxa de 20%.
  8. Determine o valor do capital acumulado por uma unidade de 400 000,00€ durante 20 anos à taxa de 15%.
  9. Determine o valor atual de uma renda de 25 000,00€, depositada à taxa de 20% durante 6 anos.
  10. Qual é o valor atual de uma renda antecipada de 28.000,00€  à taxa de 7%, durante 8 anos?
  11.  O José contraiu um empréstimo no valor de 32 000,00€, por um prazo de 8 meses, em regime de juro simples, à taxa de 6%.
    1. Qual o juro a pagar na data do reembolso do capital?
    2. Qual o montante do reembolso?
  12.  A sociedade Rodrigo e Diogo Lda, contraiu um empréstimo em 5 prestações em 5 de Janeiro, 5 de Abril, 5 de Agosto e 5 de Dezembro do ano n. Este 5 pagamentos constituem uma renda? Justifique.
  13.  Um comerciante, para poder alargar a sua atividade, precisava de 100 000,00€. Conseguiu que lhe emprestassem essa quantia, durante 2 anos, a juro antecipado à taxa anual de 20%. Determine a taxa real do empréstimo.
  14. Determinado indivíduo pagou 300 000,00€ de juros antecipados, à taxa anual de 18%, por um empréstimo com a duração de 4 meses.
    1. Determine, o capital recebido (capital atual)
    2. Determine, o capital pedido (capital nominal).

Despesas e receitas públicas

Despesas e receitas públicas

Despesas e receitas públicas

Despesas e receitas públicas

Despesas públicas: são os gastos efetuados pelo Estado durante um período económico (normalmente um ano).

Correntes: são aquelas que garantem o normal funcionamento da Administração Pública (vencimentos dos funcionários públicos, bens de consumo utilizados pela Administração Pública);

Capital – são aquelas que se relacionam com o aumento da capacidade produtiva do país (construção de estradas, escolas, pontes, etc).

Receitas públicas: são os recursos obtidos pelo Estado que permitem suportar os encargos com as despesas públicas. Podem ser:

1 – Patrimoniais ou voluntárias- são as verbas recebidas pela exploração, arrendamento ou alienação de bens imóveis;

2 – Tributárias ou coercivas – são as  que dizem respeitos impostos, taxas e contribuições que o Estado cobra aos cidadãos;

3 – Creditícias – são verbas que são obtidas quando é necessário recorrer a financiamento para cobrir as despesas públicas (certificados de aforro, empréstimos de bancos).

Receitas correntes e de capital

Receitas correntes – são receitas comuns que são os impostos, taxas e outras contribuições pagas pelos cidadãos.

Receitas de capital – venda de património, bens da capital, aplicação de poupança, obtenção de empréstimos.

 

Fundos Comunitários

Fundos Comunitários

Fundos de Coesão Económica e Social

São fundos comunitários que visam uma aproximação entre os países menos desenvolvidos e os mais desenvolvidos da União Europeia.

Temos por exemplo o FEDER e o FSE

Fundos Estruturais revertem a favor da criação de infraestruturas, pontes, estradas, etc.

Temos os fundos estruturais como o FEOGA com apoio do Banco Europeu e mecanismos financeiros.

Diferentes tipos de impostos

Diferentes tipos de impostos

Diferentes tipos de impostos

Diferentes tipos de impostos

A existência de impostos numa economia está ligada, entre outras razões, à necessidade de o Estado se financiar por forma a poder pagar as despesas públicas, designadamente a saúdem a educação, a defesa, as infra- estruturas, etc.

Neste contexto, os impostos consistem em coletar com carácter de obrigatoriedade e sem contrapartida imediata que revertem a favor do Estado.

Impostos Diretos

São os impostos que incidem sobre os rendimentos do capital e do trabalho, os ganhos de capital e outras fontes de rendimento, bem como impostos que incidem sobre os ativos financeiros e sobre o valor líquido ou total do património dos agentes residentes. Exemplos: imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS), Imposto sobre o rendimento das pessoas coletivas (IRC).

Impostos indiretos

Os impostos indiretos incidem sobre a produção, a venda, a compra ou a utilização de bens e serviços. Exemplos: Imposto sobre o valor acrescentado (IVA) e impostos especiais sobre o consumo – Imposto sobre os produtos petrolíferos e energéticos (ISP), imposto sobre veículos (IV), Impostos sobre o Tabaco (IT), Impostos sobre o álcool e as bebidas alcoólicas (IABA).

Quanto à incidência redistributiva

Progressivos

Impostos progressivos correspondem aos imposto diretos, ou seja, incidem diretamente sobre o rendimento. Por ex: o IRC.

Proporcionais

O imposto é considerado proporcional quando implica a tributação na mesma percentagem efetiva a todos os contribuintes, independentemente do seu nível de rendimento.

Ex: contribuições para a segurança social

Regressivos

São imposto que implicam que com o aumento do rendimento a taxa a aplicar será cada vez menor.

Os princípios que estão na base da cobrança de impostos são de várias ordens e podem dividir-se em 3 tipos fundamentais:

1 – O princípio do benefício, segundo este princípio a tributação das pessoas deve ser feita de acordo com os benefícios que retiram das ações do Estado.

2 – O princípio da capacidade de pagamento, segundo a qual a carga fiscal deve ser imposta de acordo com a capacidade das pessoas a suportarem.

3 – o princípio utilitário, segundo o qual a cobrança de impostos deve ser distribuída pela sociedade de tal modo que permita a maximização do bem estar social.

 

 

 

 

A Taxa de inflação

A Taxa de inflação

A Taxa de inflação

A Taxa de inflação

A taxa de inflação é um indicador que mede, em termos percentuais, a variação dos preços entre dois momentos de tempo,  calcula-se a partir do IPC ou do IHPC.

Taxa de inflação do ano X = IPC(ano 2) – IPC (ano 1) / IPC (ano 1) X100

A taxa de inflação de um determinado ano resulta do rácio entre a diferença dos IPC desse ano e do anterior e o IC deste último, rácio esse que depois é multiplicado por 100.

Diferentes taxas de inflação

inflação homóloga: mede a variação dos preços entre o mesmo mês de dois anos consecutivos, por exemplo, entre Fevereiro de 2004 e Fevereiro de 2005.

inflação média: mede a variação dos preços ao longo dos 12 meses de um ano e do ano seguinte ( é calculada com base em várias observações estatísticas)

inflação mensal, mede a variação dos preços entre dois meses consecutivos.