Category Archives: Sem categoria

Índice de preços no consumidor

Índice de preços no consumidor

O índice de preços permite comparar a evolução real da produção ao longo do tempo. Os índices de preços representam as variações do preço de bens em diferentes períodos de tempo.

Índice de preços de um bem (ano x/ ano (x-1)) = (Preço do ano x/ Preço do bem ano x-1) X100

Índice de preços no consumidor – mede a evolução da inflação.

Taxa de inflação ano x = (IPC ano x – IPC ano x-1)/ IPC ano (x-1) X 100

Conceitos relacionados

Deflação: é a descida generalizada do preço de bens e serviços. A deflação está associada a uma redução da procura, da produção e do emprego.

Desinflação: é uma diminuição (desaceleração) da taxa de inflação, os preços sobem mas mais lentamente. Embora exista um aumento de preços este vai ser cada vez menor.

Estagflação: é um conceito associado a inflação com estagnação da atividade económica. Ocorre uma subida galopante do nível de preços, acompanhada por um nível de desemprego elevado o que provoca a estagnação da economia.

 

 

 

Relação entre inflação e o valor da moeda

Relação entre inflação e o valor da moeda

Relação entre inflação e o valor da moeda

Relação entre inflação e o valor da moeda

A inflação representa o aumento generalizado dos  preços dos bens e serviços.

Se a inflação é elevada, significa que vamos ter que despender de mais moeda para adquirir os bens e serviços.

Aumentando o volume de moeda por transação significa que a moeda perde o seu valor, aquilo que chamamos “inchaço da moeda”.

Em processos de deflação, isto é, uma descida generalizada dos preços normalmente existe a situação inversa.

 

 

Exercícios de Cálculo Financeiro

Exercícios de Cálculo Financeiro

Exercícios de Cálculo Financeiro

Exercícios de Cálculo Financeiro

  1. Determine, o valor do capital acumulado por uma unidade de 100 000€, durante 10 anos, à taxa de 10%.
  2. Determine o valor atual de uma renda de 50 000,00€, depositada à taxa de 7,59, durante 20 anos.
  3. Determine a taxa de uma renda anual de 100 000,00€ que, durante 30 anos se transforma no capital acumulado de 18 088 149, 425€
  4. Determine o período de investimento de uma renda anual de 60 000,00€ que à taxa de 20% tem o valor atual de 251 548,33€
  5. Determine o valor atual de uma renda antecipada de 15 000,00€, à taxa de 15%, durante 15 anos.
  6. Calcule, o valor acumulado de uma renda antecipada de 20 000,00€, à taxa de 20%, durante 20 anos.
  7. Considere uma renda de 25 termos mensais de 10 000,00€ cada, cujo primeiro vencimento se dá a 1/1/2017. Determine o valor atual relativo a 1/1/2915, considerando uma taxa de 20%.
  8. Determine o valor do capital acumulado por uma unidade de 400 000,00€ durante 20 anos à taxa de 15%.
  9. Determine o valor atual de uma renda de 25 000,00€, depositada à taxa de 20% durante 6 anos.
  10. Qual é o valor atual de uma renda antecipada de 28.000,00€  à taxa de 7%, durante 8 anos?
  11.  O José contraiu um empréstimo no valor de 32 000,00€, por um prazo de 8 meses, em regime de juro simples, à taxa de 6%.
    1. Qual o juro a pagar na data do reembolso do capital?
    2. Qual o montante do reembolso?
  12.  A sociedade Rodrigo e Diogo Lda, contraiu um empréstimo em 5 prestações em 5 de Janeiro, 5 de Abril, 5 de Agosto e 5 de Dezembro do ano n. Este 5 pagamentos constituem uma renda? Justifique.
  13.  Um comerciante, para poder alargar a sua atividade, precisava de 100 000,00€. Conseguiu que lhe emprestassem essa quantia, durante 2 anos, a juro antecipado à taxa anual de 20%. Determine a taxa real do empréstimo.
  14. Determinado indivíduo pagou 300 000,00€ de juros antecipados, à taxa anual de 18%, por um empréstimo com a duração de 4 meses.
    1. Determine, o capital recebido (capital atual)
    2. Determine, o capital pedido (capital nominal).

Despesas e receitas públicas

Despesas e receitas públicas

Despesas e receitas públicas

Despesas e receitas públicas

Despesas públicas: são os gastos efetuados pelo Estado durante um período económico (normalmente um ano).

Correntes: são aquelas que garantem o normal funcionamento da Administração Pública (vencimentos dos funcionários públicos, bens de consumo utilizados pela Administração Pública);

Capital – são aquelas que se relacionam com o aumento da capacidade produtiva do país (construção de estradas, escolas, pontes, etc).

Receitas públicas: são os recursos obtidos pelo Estado que permitem suportar os encargos com as despesas públicas. Podem ser:

1 – Patrimoniais ou voluntárias- são as verbas recebidas pela exploração, arrendamento ou alienação de bens imóveis;

2 – Tributárias ou coercivas – são as  que dizem respeitos impostos, taxas e contribuições que o Estado cobra aos cidadãos;

3 – Creditícias – são verbas que são obtidas quando é necessário recorrer a financiamento para cobrir as despesas públicas (certificados de aforro, empréstimos de bancos).

Receitas correntes e de capital

Receitas correntes – são receitas comuns que são os impostos, taxas e outras contribuições pagas pelos cidadãos.

Receitas de capital – venda de património, bens da capital, aplicação de poupança, obtenção de empréstimos.

 

Fundos Comunitários

Fundos Comunitários

Fundos de Coesão Económica e Social

São fundos comunitários que visam uma aproximação entre os países menos desenvolvidos e os mais desenvolvidos da União Europeia.

Temos por exemplo o FEDER e o FSE

Fundos Estruturais revertem a favor da criação de infraestruturas, pontes, estradas, etc.

Temos os fundos estruturais como o FEOGA com apoio do Banco Europeu e mecanismos financeiros.

Diferentes tipos de impostos

Diferentes tipos de impostos

Diferentes tipos de impostos

Diferentes tipos de impostos

A existência de impostos numa economia está ligada, entre outras razões, à necessidade de o Estado se financiar por forma a poder pagar as despesas públicas, designadamente a saúdem a educação, a defesa, as infra- estruturas, etc.

Neste contexto, os impostos consistem em coletar com carácter de obrigatoriedade e sem contrapartida imediata que revertem a favor do Estado.

Impostos Diretos

São os impostos que incidem sobre os rendimentos do capital e do trabalho, os ganhos de capital e outras fontes de rendimento, bem como impostos que incidem sobre os ativos financeiros e sobre o valor líquido ou total do património dos agentes residentes. Exemplos: imposto sobre o rendimento das pessoas singulares (IRS), Imposto sobre o rendimento das pessoas coletivas (IRC).

Impostos indiretos

Os impostos indiretos incidem sobre a produção, a venda, a compra ou a utilização de bens e serviços. Exemplos: Imposto sobre o valor acrescentado (IVA) e impostos especiais sobre o consumo – Imposto sobre os produtos petrolíferos e energéticos (ISP), imposto sobre veículos (IV), Impostos sobre o Tabaco (IT), Impostos sobre o álcool e as bebidas alcoólicas (IABA).

Quanto à incidência redistributiva

Progressivos

Impostos progressivos correspondem aos imposto diretos, ou seja, incidem diretamente sobre o rendimento. Por ex: o IRC.

Proporcionais

O imposto é considerado proporcional quando implica a tributação na mesma percentagem efetiva a todos os contribuintes, independentemente do seu nível de rendimento.

Ex: contribuições para a segurança social

Regressivos

São imposto que implicam que com o aumento do rendimento a taxa a aplicar será cada vez menor.

Os princípios que estão na base da cobrança de impostos são de várias ordens e podem dividir-se em 3 tipos fundamentais:

1 – O princípio do benefício, segundo este princípio a tributação das pessoas deve ser feita de acordo com os benefícios que retiram das ações do Estado.

2 – O princípio da capacidade de pagamento, segundo a qual a carga fiscal deve ser imposta de acordo com a capacidade das pessoas a suportarem.

3 – o princípio utilitário, segundo o qual a cobrança de impostos deve ser distribuída pela sociedade de tal modo que permita a maximização do bem estar social.

 

 

 

 

A Taxa de inflação

A Taxa de inflação

A Taxa de inflação

A Taxa de inflação

A taxa de inflação é um indicador que mede, em termos percentuais, a variação dos preços entre dois momentos de tempo,  calcula-se a partir do IPC ou do IHPC.

Taxa de inflação do ano X = IPC(ano 2) – IPC (ano 1) / IPC (ano 1) X100

A taxa de inflação de um determinado ano resulta do rácio entre a diferença dos IPC desse ano e do anterior e o IC deste último, rácio esse que depois é multiplicado por 100.

Diferentes taxas de inflação

inflação homóloga: mede a variação dos preços entre o mesmo mês de dois anos consecutivos, por exemplo, entre Fevereiro de 2004 e Fevereiro de 2005.

inflação média: mede a variação dos preços ao longo dos 12 meses de um ano e do ano seguinte ( é calculada com base em várias observações estatísticas)

inflação mensal, mede a variação dos preços entre dois meses consecutivos.

 

População inativa

População inativa

População inativa

População inativa

A população inativa é constituída por todos os indivíduos com idades inferiores a 16 anos, todos os reformados e todos os que, tendo idade superior a 16 anos e não estejam reformados, não possuam capacidade para o exercício de uma atividade remunerada: deficientes, inválidos, estudantes com mais de 16 anos e donas de casa,

A idade a partir da qual se pode entrar no mercado do trabalho e a idade máxima para um trabalhador se reformar variam de país para país, estando relacionadas com o grau de desenvolvimento de cada país.

 

O que é a produtividade?

O que é a produtividade?

O que é a produtividade?

O que é a produtividade?

A produtividade indica a eficácia com a qual estamos a utilizar os diversos fatores de produção.

A produtividade mostra-nos a relação entre uma certa quantidade de produto e a quantidade de um ou mais fatores afetados à sua produção. A produtividade permite, conhecer o valor da produção por unidade de recurso utilizada.

Desta forma a produtividade mede-se pela quantidade produzida ou o seu valor em função da quantidade ou valor dos fatores utlizados.

Podemos falar em produtividade do trabalho, de uma máquina ou de uma superfície de terra.

A produtividade é um indicar muito importante para podermos analisar a saúde de uma economia.

Cálculo da produtividade

Produtividade média do trabalho = Quantidade de produto obtido / quantidade do fator trabalho utilizado (horas de trabalho ou nº de trabalhadores)

ou  (valor do produto obtido / valor do trabalho empregue)

Produtividade média do capital = quantidade de produto obtido / quantidade de capital técnico utilizado

ou

valor do produto obtido / valor do capital técnico utilizado

Quando estabelecemos a relação entre o valor total da produção e o valor total dos recursos para a obter, temos a produtividade total.

Quando se calcula a produtividade, sempre que se passa a usar mais uma unidade do fator trabalho ou do fator capital, obtemos a produtividade marginal.