Category Archives: Financiamento da atividade económica

Operações bancárias

Operações bancárias

Operações bancárias

Operações bancárias

As operações bancárias podem ser ativas ou passivas.

As operações passivas dizem respeito à captação das poupanças dos clientes e as ativas correspondem aos empréstimos que os bancos concedem.

Em ambos os casos, a retribuição é um juro, um juro de depósito ou um juro de empréstimo, sendo os juros dos empréstimos superiores aos juros dos depósitos.

Os juros pagos a instituições financeiras através dos vários tipos de crédito são denominados de juros ativos, por retribuírem o ativo da instituição.

Os juros passivos são os que a instituição paga pelas aplicações financeiras. Os juros chamam-se passivos pois este capital representa um passivo (dívida) nos balanços das instituições financeiras.

A diferença entre os juros ativos e passivos representam o ganho para a instituição de crédito. Exemplo: Empresta dinheiro a 7% e paga pelos depósitos 5%, o banco ganha 2% do valor dos movimentos

 

 

Capitulo 7 – Poupança e Investimento

Capitulo 7 – Poupança e Investimento

Capitulo 7 - Poupança e Investimento

Capitulo 7 – Poupança e Investimento

7.1 – Utilização dos rendimentos – o consumo e a poupança

7.2 – Destinos da poupança – a importância do investimento

7.3 – O financiamento da atividade económica – autofinanciamento e financiamento externo

7.3.1 – Financiamento externo indireto – crédito

7.3.2 – Financiamento externo direto – o mercado de títulos

7.4 – O investimento em Portugal e o investimento português no estrangeiro

Exercícios de escolha múltipla

Exercícios de desenvolvimento

Definições importantes – Poupança e Investimento

Financiamento externo indireto

Financiamento externo indireto

 

O crédito

As empresas necessitam de fundos de que não dispõem, recorrem por esse motivo às instituições financeiras para obterem crédito.

O crédito consiste na cedência temporária de uma determinada quantia tendo como contrapartida os juros. O acordo estabelecido entre o detentor do capital (mutuante) e o beneficiário do crédito (mutuário), é feito por meio de um contrato: o contrato de mútuo (empréstimo). Esse empréstimo pressupõe que o montante cedido seja devolvido ao seu proprietário nas condições acordadas, assim como os juros devidos lhe devem ser pagos nas datas combinadas.

O crédito é fundamental para qualquer economia uma vez que permite potenciar o seu crescimento. Ao viabilizar o investimento estimula a produção e possibilita a resolução de problemas pontuais de tesouraria e também certas necessidades de consumo das famílias.

Crédito de curto prazo – Que tem uma duração inferior a um ano.

 

Diferentes tipos de crédito

Quanto à duração:

Curto prazo: quando o período de crédito concedido é inferior a um ano;

Médio prazo: quando o período de crédito concedido está compreendido entre um e cinco anos;

Longo prazo: quando o período de crédito concedido é superior a cinco anos;

Quanto ao beneficiário:

Privado: quando o beneficiário do crédito é um indivíduo ou uma empresa particular.

Público: quando o beneficiário do crédito é o Estado.

Quanto à origem:

Interno: quando a instituição que concede o crédito reside em território nacional.

Externo: quando a instituição que concede crédito reside em território estrangeiro.

Quanto à finalidade:

Crédito à produção: crédito concedido às empresas

Ao funcionamento: crédito concedido para resolver necessidades pontuais de tesouraria, sendo, geralmente, de curta duração.

De financiamento: crédito para investimento, que, normalmente, é de longa duração.

Crédito ao consumo: crédito concedido às famílias para a aquisição de bens de consumo.

O nível de endividamento de certa forma pode vir a condicionar o consumo futuro.

As famílias e empresas ao ficarem com os encargos referentes aos custos do endividamento (prestações) ficam com menos dinheiro disponível para fazerem consumo. Desta forma um crescimento baseado no crédito elevado pode vir a comprometer o futuro.

 

 

 

Financiamento da atividade económica

Financiamento da atividade económica

Auto financiamento e financiamento externo

As empresas precisam de capital para financiarem a sua atividade, nem sempre possuem capitais próprios necessários daí a necessidade de recorrerem a capitais alheios.

Nas situações em que as empresas detêm capitais suficientes para financiamento da sua atividade optam pelo chamado – autofinanciamento.

Noutras situações têm de financiarem a sua atividade recorrendo ao financiamento externo.

O financiamento externo pode ser obtido por dois processos :

Financiamento indireto, recorrendo ao crédito das instituições financeiras.

Financiamento direto, acedendo ao mercado de títulos.

Só as grandes empresas é que normalmente acedem ao mercado de títulos.

Por exemplo a emissão de obrigações é uma forma de financiamento.

A venda de ações também de financiamento das empresas.

Financiamento da atividade económica

Financiamento interno (autofinanciamento) – Fundos da própria empresa;

Financiamento externo:

Indireto – crédito

Direto – Mercado de títulos