Category Archives: aspectos fundamentais da atividade económica

Capitulo 4 – Comércio e Moeda

Capitulo 4 – Comércio e Moeda

Capitulo 4 - Comércio e Moeda

Capitulo 4 – Comércio e Moeda

Definições – diferentes tipos de moeda

Comércio está relacionado com a atividade da distribuição.

Distribuição inclui o transporte, publicidade, venda (comércio).

É o elo entre o produtor e o consumidor.

Comércio é a atividade intermediária de troca na qual os produtores conseguem escoar a sua produção para estar acessível ao consumidor final.

Existem várias formas de comércio:

Circuito ultra-curto: Produtor —– Consumidor ( venda direta na internet).

Circuito Curto

Produtor —- Retalhista —– Consumidor

Circuito Longo

Produtor — Grossista —– Retalhista —– Consumidor

A globalização e a mundialização das trocas vieram mudar a lógica do comércio global.

Proliferam as grandes superfícies ou centros comerciais, o comércio tradicional foi obrigado a reformular a sua posição no mercado,

Passaram a desenvolverem-se negócios em franchising, no qual uma empresa tem um modelo de negócio e concede a outra o direito de utilizar a sua marca e vender os seus produtos e serviços.

Temos também a venda à distância, venda automática e o comércio eletrónico (via internet).

Diferentes tipos de moeda

Evolução das trocas

Troca direta: nas sociedades primitivas não existia moeda a troca era efetuada de acordo com o interesse comum. O entendimento não era fácil e os bens não eram divisíveis.

Troca indireta: inclui a moeda com intermediário de troca

Moeda mercadoria: era algo que era valorizado pela comunidade.

Não tinham valor de uso, para além de decorativo (ouro e prata).

Moeda metálica: tem inconveniente de os metais preciosos serem escassos.

Atualmente a moeda metálica é a moeda de trocos.

A moeda aumentou as trocas por que estas se tornam mais fáceis. Economia Mercantilista.

Moeda representativa: representa o seu valor em bens preciosos, ouro ou prata.

Moeda fiduciária: que é uma moeda que tem como base a confiança, ela não vale o seu valor representativo.

O Estado teve que intervir e propor o curso forçado das notas e a sua inconvertibilidade.

Criação da moeda escritural

A moeda escritural é a moeda criada pelo sistema bancário.

Temos no sistema bancário o multiplicador de crédito que possibilita a criação de moeda.

Um valor depositado implica uma reserva %, mas o restante, pode ser emprestado a outro cliente e entrar no sistema bancário daí que se consiga criar moeda pela utilização pelo próprio bancário.

 

Criação de moeda pelo sistema bancário

Funções da moeda

1 – meio de pagamento geral e definitivo – forma de aceitação generalizada.

2 – Medida de valor: o valor dos bens e serviços é medido através do seu valor em dinheiro numa determinada unidade conta.

3 – Instrumento de reserva de valor: pode-se guardar moeda por um determinado período de tempo, conservando-se assim um valor.

Comércio noções e tipos

Comércio e inflação

Papel Moeda

Processos de destruição de moeda

Desmaterialização da moeda

Apareceram vários meios de pagamento que estão a substituir a moeda.

Pagamento via internet, transferências bancárias, pagamentos por multibanco, tudo isto tem substituído a posse e uso da moeda.

Depreciação do valor da moeda

Moeda Euro

Em 1999, Portugal passou a ter como moeda oficial o euro.  Em 2002 entrou em circulação em paralelo com o escudo.

A partir de 1999, a política monetária portuguesa passou a ser conduzida pelo Banco Central Europeu (BCE).

Existe uma instituição supranacional. Os países que entraram na Zona Euro tinha que cumprir os critérios associados no Tratado de Maastricht, que estabelece as condições.

Vantagens e desvantagens do euro

Vantagens

Facilita as trocas entre os vários países, pois passam a ter a mesma moeda, eliminando os encargos com as diferenças cambiais.

Por outro lado permite uma maior estabilidade de preços, que possibilita uma redução das taxas de juro que beneficia as famílias e as empresas.

Desvantagens:

Perda de autonomia em matéria da política monetária. Os Estados deixaram de poder usar a desvalorização da moeda como estratégia que permitia em épocas de crise, aumentar a competitividade das exportações.

A maior transparência de mercado também pode gerar choques assimétricos entre regiões.

Outro inconveniente restrições em matéria orçamental, critérios de convergência, dificultam a política económica (limites ao défice orçamental, limites à dívida pública).

Preço de um bem – noção e componentes

O preço representa a quantidade de moeda que é necessária para adquirir um bem ou serviço.

O preço reflete os encargos com a produção. Os custo de produção incluem os custos diretos e os custos indiretos.

Custos directos: custos ou encargos relacionados com a produção dos bens e serviços como as matérias primas ou a remuneração dos trabalhadores.

Os custos indiretos são  encargos que a unidade produtiva tem que suportar, mas que não estão diretamente relacionados com a produção, água, rendas, telecomunicações.

Influencia entre o preço e a procura. O nº de compradores pode influenciar o preço e vice versa (lei da oferta de da procura).

A tecnologia também pode influenciar o preço dos bens e serviços. A tecnologia incorpora valor um ganho de produtividade tecnológico pode influenciar o preço de um bem ou serviço.

Inflação – é a subida generalizada de preços.

Contínua, inesperada, generalizada

Consequências da inflação:

Desvalorização da moeda, havendo mais inflação temos que dar mais moeda para adquirir os mesmos produtivos.

Perda de poder de compra: se o valor da inflação superar o aumento dos salários num determinado ano, significa que o poder de compra será reduzido porque o salário real irá diminuir.

Preços correntes e preços constantes.

Para calcular o valor de produção de bens e serviços posso utilizar preços correntes ou preços constantes.

Com os preços correntes estou a incluir a inflação no cálculo do produto.

Com os preços constantes a inflação na interfere no cálculo do produto.

O índice harmonizado de preços no consumidor (IHPC) é o indicador que permite comparar a inflação de diferentes países da União Europeia.

Em Portugal, o principal índice utilização é o índice de preços no consumidor (IPC), que indica a média ponderada de preços de um cabaz de bens,

A taxa de inflação é a taxa de crescimento do índice de preços no consumidor entre duas datas.

A taxa de inflação mensal: compara o valor da inflação entre dois meses consecutivos.

A taxa de inflação homóloga: compara a inflação de um determinado mês com o mesmo mês do ano anterior.

A taxa de inflação média dos últimos 12 meses (Tim 12) que é a média simples das últimas doze taxas comparada com a média das 12 taxas homólogas.

Deflação, representa o contrário da inflação, descida generalizada e inesperada e contínua dos preços. Está associada a uma baixa da procura, da produção e do emprego.

Desinflação: é uma diminuição da taxa de inflação, mas contínua a existir aumento de preços só que é mais ligeiro.

Estagflação: é um conceito que relaciona a inflação com a estagnação da atividade económica. Este efeito ocorre quando temos uma subida galopante do nível dos preços que é acompanha por um nível de desemprego, o que pode levar à estagnação da economia.

Inflação em Portugal e na União Europeia

Antes de Portugal entrar na UE, a taxa de inflação portuguesa era muito elevada, em 1984, chegou a atingir 29,3%. A inflação baixou de forma acentuada a partir do momento da adesão à UE. Mais tarde, contribuíram para esta situação os esforços que Portugal teve que realizar no sentido de cumprir os critérios de adesão à moeda única em particular a estabilidade de preços.

Atualmente, a taxa de inflação portuguesa tem valores baixos, que estão ao nível da média europeia. A análise destes valores é feita através do índice de preços no consumidor (IPC) e no comparativo com os outros países da zona euro através do índice harmonizado de preços no consumidor.

O índice Harmonizado de preços no consumidor é um instrumento muito importante na medição económica, sendo frequentemente utilizado como meio de comparação de flutuações no poder de compra dos consumidores da UE. O IHPC de Portugal uma vezes tem-se apresentado superior ao IHPC da área Euro outras vezes inferior.

 

Questões de Exame – Comércio e moeda

 

 

Conceito de Economia

Conceito de Economia

A Economia é uma ciência social.

É uma área ciêntifica que está relacionada com outras ciências. Isto é, a economia precisa de informações fornecidas e analisadas pela vertente de outras ciências.

Por ex: História, Sociologia, Geografia, Estatística, Matemática….

A Economia é a ciência social que estuda a forma de utilizarmos os recursos escassos de maneira a optimizarmos a satisfação das nossas necessidades.

Existe necessidade de Economia, porque existe escassez.

Sem  excassez não existe necessidade de escolha.

Empregos alternativos estão associados à questão da escolha. O custo de oportunidade é a melhor oportunidade que temos que sacrificar quando escolhemos uma opção.

Micro Economia Versus Macro Economia

A Micro Economia estuda o comportamento individual, por exemplo relação entre preço e consumo. Mecanismos de Mercado.

Macro Economia estuda a economia como um todo, como um agregado.

Por ex: O estudo do nível de inflação associado ao desemprego. Ou a taxa de juro associada ao investimento. O PIB, a redistribuição da riqueza. A carga fiscal, etc.

Problema Económico

Necessidades económica:

Necessidade, sensação de insatisfação que é anulada com o consumo de um determinado bem ou serviço.

Necessidades tem várias carateristicas:

Multiplicidade: existem multiplas necessidades

Saciabilidade: capacidade de satisfazer a necessidade momentânea ou para sempre;

Ilimitadas: as necessidades tendem a ser ilimitadas, estão sempre a surgir novas necessidades;

Bens Livres Versus Bens Económicos

água da chuva, bem livre

água de garrafa é um bem económico.

O critério de classificação é que o segundo tem um custo de aquisição, logo é um bem económico.

Necessidades Bens Materiais e Bens imateriais

Necessidades de Bens Materiais ou físicas são aquelas que podem ser colmatadas com a aquisição de bens (materiais).

Exemplo: Tenho fome, se comer uma refeição vou saciar esta necessidade com recurso a um bem material.

Necessidade imateriais, temos que recorrer a serviços para as satisfazer.

Por ex: Pretendo aprender a falar espanhol, tirei um curso é um bem imaterial.

Necessidades Individuais e Colectivas

Necessidades individuais, dizem respeito a cada um de nós. Por ex: fazer uma viagem.

Necessidades coletivas, dizem respeito a todos. Independentemente de as termos realmente. São necessidade que não exclusivas.

ex: Segurança, Educação, Saúde…

 

Exercícios Exame Aspectos fundamentais da actividade Económica

Exercícios Exame Aspectos fundamentais da actividade Económica

Exercícios Exame Aspectos fundamentais da actividade Económica

Exercícios Exame Aspectos fundamentais da actividade Económica

  1. Consumismo e consumerismo são conceitos diferentes. Podemos associar o consumerismo
    1. às práticas que tornam os consumidores dependentes  da publicidade
    2. aos movimentos e organizações de defesa dos consumidores
    3. aos comportamentos impulsivos e irracionais dos consumidores atuais
    4. às medidas promotoras do consumo em massa
  2. Em 2014, num dado país, as famílias efetuaram uma poupança de 10% do seu rendimento disponível médio. No mesmo período, as famílias apresentaram como coeficientes orçamentais das despesas em alimentação e em transportes, respetivamente, 30% e 15%. Nestas condições, em 2014, por cada 100 euros do seu rendimento disponível as famílias despenderam, em média.
    1. 30 euros em alimentação e 13,5 euros em transportes.
    2. 30 euros em alimentação e 15 euros em transportes.
    3. 27 euros em alimentação e 15 euros em transportes.
    4. 27 euros em alimentação e 13,5 euros em transportes.
  3. O facto de as necessidades humanas serem ilimitadas e de os recursos aptos a satisfazê-las serem escassos expressa…
    1. o custo de oportunidade.
    2. o problema económico.
    3. A Lei de Engel.
    4. a racionalidade económica.
    5. A Economia é a ciência que estuda as escolhas entre utilizações alternativas dos recursos. Essas escolhas decorrem do facto de…
      1. os bens serem livres.
      2. o Homem ter liberdade de decisão.
      3. os bens serem escassos.
      4. o Homem ter necessidades primárias.
  4. É consumo intermédio
    1. a utilização de um tear para fazer um tecido;
    2. a utilização de leite para fazer iogurtes;
    3. a utilização de compota para barrar o pão.
  5. Em Economia, o custo de oportunidade é um conceito que:
    1. traduz o sacrifício que temos que fazer quando escolhemos entre dois ou mais recursos;
    2. é exclusivo dos consumidores;
    3. está na base de todo o ato que envolve tempo e meios escassos para atingir uma dada finalidade e que obrigue a escolhas
    4. Se refere aos sacrifícios impostos pela escassez de estados de insatisfação.
  6. Uma das caraterísticas da «sociedade de consumo» é que nela
    1. se verifica o fenómeno do consumo de massas;
    2. o consumo público é superior ao consumo privado
    3. a moeda perde, gradualmente, importância;
    4. se constata a negação da Lei de Engel
  7. De uma forma simplificada, pode afirmar-se que o objeto de estudo da ciência económica é o problema…
    1. da escolha num contexto de escassez de recursos
    2. do crescimento demográfico nos países em desenvolvimento
    3. da evolução tecnológica no contexto da mundialização
    4. do desequilibro ambiental nos países desenvolvidos
  8. O uso de tonner da fotocopiadora da Escola Secundária da Fonte constitui um consumo…
    1. público e intermédio
    2. público e final
    3. colectivo e privado
    4. colectivo e final
  9. O valor de uso de um bem depende…
    1. das carateristicas físicas do bem;
    2. da apreciação que o consumidor dele faça
    3. da sua escassez
  10. As necessidades que se classificam quanto à abrangência como colectivas são…
    1. as necessidades que não implicam qualquer dispêndio, para os bens que as satisfazem existem em quantidade suficiente
    2. as necessidades que se consideram supérfluas e que normalmente estão associadas ao consumo de bens de luxo
    3. aquelas que resultam da vida em sociedade e que são sentidas em conjunto por todos os indivíduos
    4. as necessidades relacionadas com a individualidade das pessoas, com os seus gostos ou interesses particulares
  11. A sociedade de consumo caracteriza-se….
    1. pela forma racional com que os bens de consumo são utilizados
    2. pela forma abundante com que os bens duradouros são colocados à disposição de todos os consumidores
    3. pela existência de movimentos de pessoas cujo objectivo é promover o consumo sustentável de bens
    4. pela existência de leis que consagram os direitos dos produtores de bens de consumo.
  12. Um dos factores de natureza económica que exercem influência direta sobre o consumo em Portugal é…
    1. a produtividade do país;
    2. a inflação internacional
    3. o rendimento dos portugueses
    4. a dívida pública
  13. A caracteristica das necessidades que deriva da sua existência em grande número, de serem infinitas, e de, na maioria das vezes, poderem reaparecer passado algum tempo, denomina-se…
    1. multiplicidade
    2. abrangência
    3. interconetividade
    4. saciabilidade
  14. Quando se hierarquizam as necessidades e se opta pela satisfação de uma, as que são sacrificadas representam uma perda, denominada….
    1. custo operacional
    2. custo de mercado
    3. custo indireto
    4. custo de oportunidade
  15. A Lei de Engel relaciona…
    1. A despesa total das famílias com o rendimento do país
    2. O rendimento das famílias com a satisfação das suas necessidades
    3. A despesa total das famílias com a satisfação das suas necessidades;
    4. O rendimento das famílias com as suas estruturas de consumo.
  16. Os bens complementares….
    1. são os bens substituíveis
    2. são aqueles que são usados em conjunto no cumprimento das suas funções
    3. são os bens que cumprem a mesma função podendo ser substituídos uns pelos outros
    4. são os bens que podem ser utilizados mais do que uma vez na satisfação das necessidades
  17. Na lei de Engel….
    1. quando os rendimentos diminuem, aumentam as despesas com bens essenciais
    2. quando os rendimentos aumentam, aumenta a proporção das despesas com bens essenciais
    3. quando os rendimentos diminuem, diminui a proporção das despesas com bens essenciais
    4. quando os rendimentos aumentam, diminui a proporção das despesas com bens essenciais
  18. Uma das consequências do consumismo é …
    1. A preservação dos recursos naturais;
    2. o aumento da taxa de atividade;
    3. a diminuição do rendimento pessoal;
    4. o endividamento das Famílias;
  19.  São atividades económicas…
    1. a Produção, a Distribuição e o Desemprego.
    2. as Famílias, as Empresas e o Estado.
    3. a Produção, a Distribuição e o Consumo.
    4. as famílias, as Empresas e as Instituições Financeiras.
  20. A ciência económica tem como objeto de estudo
    1. Os fenómenos específicos dos seres humanos e das interacções que entre eles se estabelecem;
    2. as realidades social e natural
    3. o conjunto de fenómenos que se produzem e reproduzem no interior de uma sociedade
    4. a ótima gestão dos recursos escassos de forma a maximizar o bem-estar de uma sociedade.
  21.  Em Economia, a utilização de rendimentos é a atividade económica que integra
    1. o consumo e a produção.
    2. o consumo e a poupança.
    3. a distribuição e a produção.
    4. a distribuição e a poupança.
  22. O problema da escassez resulta do fato de…
    1. As necessidades serem limitadas no tempo e os bens disponíveis serem ilimitados no espaço;
    2. As necessidades serem ilimitadas e os recursos e os recursos disponíveis serem escassos;
    3. As necessidades serem escassas, bem como os recursos disponíveis
    4. As necessidades serem ilimitadas, bem como os recursos disponíveis
  23. A responsabilidade social do consumidor, traduz-se…
    1. No reconhecimento, por parte da sociedade, dos direitos fundamentais dos consumidores;
    2. Num conjunto de deveres sociais como o da consciência critica, o da consciência do meio ambiente e o de solidariedade, no sentido da defesa comum dos consumidores, entre outros;
    3. Na participação, nomeadamente nos órgãos consultivos do Governo, na definição da política de consumo.
  24. É um exemplo de um recurso natural renovável
    1. o petróleo utilizado na produção de gasolina
    2. o trabalho humano utilizado na produção de bens
    3. a força do vento utilizada na produção de eletricidade
    4. a farinha utilizada na produção de pão.
  25. As necessidades que exigem algum dispêndio designam-se….
    1. económicas
    2. sociais
    3. coletivas
    4. primárias
  26. O Consumo intitula-se intermédio quando….
    1. os bens consumidos já se encontram totalmente transformados
    2. incide sobre bens essenciais
    3. os bens ainda vão ser objeto de transformações
    4. incide sobre bens não essenciais
  27. A utilização de papel e de tinta pela impressora dos serviços administrativos da empresa «Bom Dia», propriedade de dois amigos, constitui um consumo
    1. intermédio e privado
    2. final e público
    3. final e privado
    4. intermédio e público
  28. No âmbito da sua responsabilidade social, compete ao consumidor
    1. utilizar produtos com dupla embalagem
    2. aplicar a poupança em bens secundários
    3. preferir produtos reciclados e recicláveis
    4. incentivar o consumo de bens descartáveis
  29. Os bens sucedâneos são…
    1. Os bens que satisfazem a mesma necessidade;
    2. Os bens que são utilizados em conjunto na satisfação de uma necessidade;
    3. Os bens utilizados na transformação de outros bens;
    4. Os bens relacionados com a prestação de serviços
  30. A sociedade de consumo caracteriza-se…
    1. pela grande variedade de marcas de produtos
    2. pela produção de bens susceptíveis de satisfazerem as necessidades
    3. pela abundância e variedade de bens e serviços colocados à disposição dos consumidores
    4. pelos comportamentos responsáveis dos consumidores.
  31. Consideram-se características das necessidades….
    1. a substituibilidade e a racionalidade
    2. a susceptibilidade e a escassez
    3. a abundância e a variedade
    4. a saciabilidade e a multiplicidade
  32. A utilização de algodão, por uma fábrica, para produzir pijamas, classifica-se como um…
    1. consumo final
    2. consumo intermédio
    3. bem de produção
    4. bem de consumo
  33. O custo do bem A não se traduz apenas no seu preço, mas também nos benefícios a que é necessário renunciar para o obter. Então, dizemos que o custo de abandonar a melhor das alternativas para obter o bem A traduz o
    1. custo de oportunidade
    2. custo marginal
    3. custo de substituição
    4. custo médio
  34. No âmbito do consumerismo, os cidadãos enquanto consumidores gozam, nomeadamente, do direito
    1. a um salário justo
    2. à qualidade dos bens e serviços
    3. a um consumo elevado
    4. à qualidade do emprego e da formação
  35. O uso pelo João de uma camisa que comprou recentemente constitui um consumo
    1. colectivo
    2. individual
    3. público
    4. intermédio
  36.  Em economia é necessário fazer escolhas porque ….
    1. se deve poupar
    2. os recursos são escassos
    3. nem todos os bens têm as mesmas características
    4. os recursos são dispendiosos
  37. A acção dos grupos que promovem a defesa dos interesses dos consumidores define-se por…
    1. consumismo
    2. consumerismo
    3. consumo ético
    4. sociedade de consumo
  38. O custo de oportunidade...
    1. representa o total dos encargos suportados com um negócio
    2. corresponde ao valor que os consumidores estão dispostos a pagar por um bem material
    3. mede-se através da melhor alternativa que foi sacrificada quando se efectuou uma escolha
    4. calcula-se em função dos rendimentos gerados no acto produtivo
  39. As necessidades e os bens têm diferentes classificações. Assim, o ar atmosférico…
    1. é um bem económico e satisfaz uma necessidade primária
    2. é um bem duradouro
    3. nenhuma das hipóteses é correta
  40. As entidades que exercem, como função principal, a produção mercantil de serviços de reparação de equipamentos informáticos são integradas no agente económico.
    1. administrações públicas.
    2. instituições sem fim lucrativo ao serviço das famílias.
    3. empresas não financeiras.
    4. empresas financeiras prestadoras de serviços.
  41.  Os comportamentos consumistas podem ter como consequência…
    1. uma desigual repartição do rendimento
    2. o endividamento das famílias
    3. a alteração da Lei de Engel.
    4. um menor consumo de bens intermédios.
  42. Designa-se coeficiente orçamental
    1. a percentagem de dívidas cobertas pelas receitas
    2. o peso de cada rubrica de despesa no total do orçamento de uma família
    3. a percentagem do défice orçamental
    4. o total das despesas consagradas às necessidades primárias