A sociedade de consumo

A sociedade de consumo

A sociedade de consumo

A sociedade de consumo

Este conceito aparece após a Revolução Industrial na qual se desenvolveu a produção em massa e originou um aumento exponencial da produção relativamente ao que era até então.

Criação de novas necessidades

Dada a grande produção em que a capacidade produtiva se expandiu tornou-se necessário escoar tantos produtos.

A solução passou pela criação de novas necessidades nos consumidores, contribuindo para isso a publicidade, o marketing, técnicas de vendas e mais tarde as facilidades de pagamentos e outras atividades semelhantes.

O consumidor torna-se o foco de um grande conjunto de técnicas persuasivas, torna-se um destinatário passivo do consumo, numa época em que se consome o que é produzido e não se produz aquilo que é necessário consumir.

Sociedade de Consumo

A sociedade de consumo caracteriza-se por uma abundância de bens e serviços sempre disponíveis para os consumidores.

O consumo passa a ser o ponto fundamental ou central na vida dos indivíduos.

Vivemos numa sociedade onde o TER substituiu de certa for o SER“.

Na actualidade a posse de bens é sobrevalorizada, sendo as pessoas avaliadas muitas vezes em função dos bens materiais que possuem, Vivemos na era dos produtos descartáveis, do “usa e deita fora”; esta situação leva muitas vezes os consumidores a substituírem bens em perfeitas condições de utilização por outros mais recentes.

O aumento da quantidade de bens produzidos representa uma vantagem para os consumidores, pois a necessidade de escoamento dos produtos leva a uma redução dos preços.

Contudo, a massificação do consumo e a facilidade de acesso aos bens origina o consumismo, isto é, um conjunto de atitudes e de comportamentos que conduzem a consumos irracionais e imprevistos.

São situações em que as pessoas agem por impulso, consumindo, de forma irreflectida, bens de que não necessitam.

O crédito e as facilidades de pagamento contribuem muito para a existência de consumos indiscriminados, pois os bens ficam à disposição das pessoas antes de ser efetuada a totalidade do seu pagamento.

Nas últimas décadas, o crédito concedido aos particulares aumentou bastante, originando uma situação de sobre-endividamento de uma grande parte das famílias portuguesa. Em alguns casos a situação é muito grave, porque o rendimento disponível não é suficiente para cobrir as dívidas contraídas.