A produção de bens e serviços,lei dos rendimentos decrescentes,economias de escala, produção,factores de produção,produtividade,terciarização,escala

3. produção de bens e serviços

3. produção de bens e serviços

A produção de bens e serviços
3. produção de bens e serviços

A produção de bens e serviços

A produção de bens e serviços

Resumo

Produção e o processo produtivo

Processo produtivo é o percurso que as matérias primas têm de fazer até se tornarem produtos acabados aptos à satisfação de necessidades. 

A produção é a atividade que possibilita a criação de bens e serviços que satisfazem as nossas necessidades.

Contudo existem certas questões iniciais:

O que produzir?

Em que quantidades produzir?

Para quem produzir?

Necessidades dos consumidores….

Oferta ….. Os produtores tendem a oferecer os bens e serviços que lhes dão melhor remuneração….

Produção = Recursos + Trabalho + Capital

Os bens serviços satisfazem as necessidades dos consumidores

  1. Bens, noção e classificação
  2. Produção e processo produtivo
  3. Factores de produção
    1. Recursos naturais;
    2. Trabalho;
    3. Capital;
    4. combinação dos factores produtivos;
    5. Desemprego;
    6. Formação ao longo da vida
    7. Terciarização
  4. Produtividade
    1. Definição de produtividade
    2. Produtividade média
    3. Produtividade marginal
    4. Produtividade portuguesa

Bens – noção e classificação

Consideramos bens como sendo todos os meios susceptíveis de satisfazer necessidades, ou seja, tudo aquilo que pode ser utilizado para pôr fim a certos estados de carência.

Bens livres e Bens Económicos

Bens livres são abundantes não exigindo qualquer dispêndio de dinheiro ou trabalho na sua obtenção, por exemplo a luz do Sol.

Bens Económicos são aqueles que existem em quantidades inferiores às necessárias exigindo um dispêndio para a sua aquisição. Por exemplo, a alimentação. Um bem económico pressupõe a existência de dispêndio de dinheiro ou trabalho para a satisfação de uma necessidade.

Classificação dos bens económicos

Quanto à sua natureza

Bens Materiais: consideramos todos os que são tangíveis, isto é, que assumem uma forma física, como um computador, um telemóvel.

Bens Imateriais: são aqueles que são intangíveis, isto é, que não assumem uma forma física, estão associados aos serviços. Por exemplo uma consulta médica, uma massagem, uma ida ao ginásio.

Quanto à sua Função

Bens de Produção: São os bens que se incorporam no processo de fabrico de outros, sendo considerados bens de consumo intermédio, por exemplo, o linho para fabricar um tecido, ou a cortiça para fabricar rolhas.

Bens de Consumo: São os bens de consumo final, isto é, já não precisam de sofrer mais transformações. Por exemplo um sumo de laranja que bebemos ao pequeno almoço.

Quanto à duração

Bens duradouros: São os bens que podem ser utilizados mais do que uma vez na satisfação das necessidades, por exemplo um computador ou um smartphone.

Bens não duradouros: Este tipo de bens só pode ser utilizado uma única vez pois extinguem-se com a sua utilização. Por exemplo quando comemos uma refeição satisfazemos uma necessidade mas o bem extingue-se.

A produção de bens e serviços
Bens não duradouros – Explicações Economia online – 91 818 70 95
Quantos às relações que estabelecem entre si

Bens Sucedâneos: São bens que cumprem a mesma função e dessa forma podem satisfazer a mesma necessidade. Desta forma podem ser substituídos um pelo outro daí também se denominarem de substituíveis ou concorrentes.

A produção de bens e serviços
Bens Sucedâneos ou Bens Substituíveis

Bens Complementares: São aqueles que são utilizados em simultâneo. Desta forma, a ausência de um implica que não se poderá utilizar o segundo. Por exemplo o carro e a gasolina.

A produção de bens e serviços
Bens complementares – Economia 10º ano

Sectores da Actividade Económica

Sector primário: inclui as actividades relacionadas com a recolha dos bens que a Natureza disponibiliza, como a pesca, a agricultura, a pecuária e a silvicultura.

Sector secundário: engloba as indústrias transformadores de matérias-primas que são fornecidas pelo sector primário. Abrange vários tipos de indústrias:

1 – Indústrias ligeiras, que se caracterizam por ter menos investimento e mais trabalho intensivo como por exemplo a indústria têxtil ou do calçado.

2 – Indústrias pesadas de capital intensivo, como a indústria metalúrgica, metalo-mecânica, química, construção naval, produção aeronáutica, produção de energia, indústria do cimento, etc.

A produção de bens e serviços
Setor secundário – Setores da atividade economica – Economia 10º ano

Dados pordata empresas portuguesas por setor de atividade

Setor terciário

Setor dos serviços

O setor terciário compreende os serviços e toas as atividades não abrangidas pelos setores primário e secundário.

Pr exemplo: o comércio, a banca, as seguradoras, os transportes, o turismo, a comunicação social, a educação, a defesa e a justiça.

Está relacionado com o fenómeno da terciarização.

O setor dos serviços está a ganhar peso nos setores primário e secundário.

Por ex: Agora existem muitos agricultores que optaram por deixar de adubar os terrenos e pagam um serviço especializado que evita compra de equipamentos.

A terciarização da economia está ligada ao desenvolvimento tecnológico, que permitiu lbertar mão-de.obra da agricultura e indústria e, simultâneamente, aumentar a produção.

Vantagens da classificação da atividade em sectores

Factores de produção

A produção de bens e serviços
Os fatores de Produção

Fatores de produção: São os elementos necessários ao fabrico de bens: recursos naturais, trabalho e capital.

As possibilidades de produção

Os recursos naturais: Capital Natural, são os recursos que são retirados directamente da natureza. Não tivemos que intervir na sua produção.

Recursos renováveis: representa o tipo de bens que não se esgotam num curto espaço de tempo e que vão sendo repostos pela natureza.

Por exemplo: A energia solar

Recursos não renováveis: São os bens que não são repostos pela Natureza ou cuja reposição natural não acompanha o ritmo das necessidades humanas.

Por exemplo: A madeira das florestas, problema da desflorestação.

O Trabalho

Definição de Trabalho

O trabalho é a atividade física ou intelectual desempenhada pelo Homem de forma remunerada e que tem como objetivo a produção de bens e serviços.

Diferentes tipos de trabalho

Trabalho de execução: realização de tarefas pré estabelecidas (recepcionista), operador de caixa.

Trabalho de organização, quando respeita à coordenação do trabalho humano com as máquinas e os equipamentos.

Trabalho de direcção – Gestão, planeamento e organização

Informatização / Automação

Atualmente, os processo produtivos estão em transformação devido à Informatização e à Automação.

A Informatização veio trazer mais rapidez, melhor qualidade e maior racionalidade a todos os setores da vida humana, possibilitando uma melhor programação das atividades e gestão de meios e tarefas.

Paralelamente, a produção industrial beneficia também da automação. Os sistemas de automação possibilitam a produção sem a intervenção humana ao nível da execução da tarefa, como, por exemplo, a pintura industrial de automóveis

Benefícios e custos da automação
População ativa e inativa

A População Ativa incluí os empregados + desempregados

População ativa: representa o total da capacidade humana produtiva de um país.

Representa todos os indivíduos que desempenham atividades remuneradas ou os que, embora não estejam empregados se encontram à procura de emprego.

A população ativa inclui os empregados e os desempregados.

População inativa: é composta por todas as pessoas que não desempenham atividades remuneradas, incluem-se os menores de 15 anos ou com idade superior a 64 anos. Fazem parte da população inativa, os estudantes, os inválidos, os deficientes, os pensionistas, as donas de casa, etc.

Taxa de atividade

Representa a % da população total que é ativa.

Taxa de atividade = (Pop ativa/ Pop total)

No caso Português temos um grande problema, diminuição da pop. Ativa, consequência do envelhecimento da população.

Atenção: Na taxa de atividade está incluida a população desempregada.

População desempregada: é a parte da população ativa que, embora esteja capacitada para o exercício de um trabalho remunerado, não está a exercê-lo.

Desemprego

Taxa de desemprego: representa a percentagem da população ativa que se encontra desempregada.

Taxa de desemprego = [População desempregada / população ativa ] X 100

Diferentes tipos de desemprego

Desemprego de longa duração: reflecte a situação de quem se encontra à procura de emprego há mais de um ano.

Esta situação é muito complicada porque quando este tipo de desemprego se prolonga por muito tempo, as pessoas deixam de receber subsídios, originando situações de pobreza e de exclusão social.

Desemprego temporário: é normalmente o período que medeia entre a saída de um emprego e o ingresso num outro emprego. Ocorre com frequência quando uma pessoa sai de um emprego para ingressar num outro.

Desemprego Estrutural

Resulta do desfasamento entre as necessidades das empresas e as capacidades dos trabalhadores. Por exemplo certas pessoas não conseguem acompanhar o ritmo de evolução tecnológico. Este tipo de desemprego é complexo e está relacionado com os processos de ensino quer das novas gerações quer na formação dos profissionais atuais.

Exemplo: Uma srª que durante 30 anos foi secretária. Trabalha com um software antigo e não sabe trabalhar com cloud e em modo teletrabalho. É um caso típico de inadaptação às mudanças tecnológicas. Que provoca o desemprego estrutural. Por exemplo a empresa optou pelo teletrabalho.

Como consequência do Desemprego Estrutural aparece o desemprego tecnológico

Está relacionado com o desemprego estrutural, o que os trabalhadores oferecem não coincide com as necessidades do empregador.

Está relacionado com a inadaptação às novas tecnologias e novos métodos de produção. Condena algumas faixas etárias que não se adaptam.

Desemprego repetitivo: mudar de emprego constantemente devido a trabalhos rotativos e precários.

Exemplo: Os agricultores que se dedicam à apanha da maçã, laranja, pera e uvas. É um trabalho que ocorre durante algumas alturas do ano com intervalos de desemprego.

Desemprego sazonal: existem actividades que por natureza ocorrem em determinados períodos do ano. Por exemplo os nadadores salvadores, os artistas de circo.

Desemprego voluntário: está relacionado com questões pessoais. Por exemplo: mudança de residência entre localidades distantes, opção da mulher por ficar em casa a cuidar dos filhos.

Consequências do Desemprego

O desemprego constitui um encargo social

O desemprego tende a provocar subida de preços

O desemprego, quando elevado, provoca o surgimento de um mercado negro de trabalho

Medidas de prevenção e ativação para desempregados

fomento da formação profissional dos jovens, aposta de estágios profissionais

fomento da formação profissional para desempregados

Apoio à criação do próprio emprego

Medidas de inclusão social

São medidas que visam a inserção no mercao de trabalho, sobretudo de pessoas com deficiências ou com muito baixo nível de instrução e qualificação profissional.

Medidas de promoção das aprendizagens

As medidas de promoção das aprendizagens ao longo da vida, têm como objetivo o combate ao desemprego tecnológico e o de longa duração (relacionado com a reconversão tecnológica das empresas).l

Evolução do Desemprego em Portugal

Existe um crescimento da automatização e informatização que tem como consequência a diminuição de postos de trabalho.

Por exemplo nos grandes Hipermercados têm existido tendência para instalar máquinas que substituem as operadoras. Neste sentido é o próprio cliente que trata da expedição dos artigos, registo e pagamento. Assim, no futuro advinha-se que estes postos de trabalho, as operadoras tendem a ser substituídos.

https://www.publico.pt/2015/07/27/economia/noticia/portugal-vai-demorar-20-anos-a-descer-aos-niveis-de-desemprego-precrise-diz-fmi-1703327

Ver site Pordata

Formação ao longo da vida

Relação entre a formação e a empregabilidade

Empregabilidade: é um conceito que está associado à relação existente entre as competências apresentadas por cada indivíduo e a sua relação com a facilidade ou dificuldade na obtenção de emprego.

Por exemplo nos dias de hoje, os conhecimentos informáticos e de línguas estrangeiras estão muito associados à empregabilidade.

A velocidade da mudança requer cada vez mais uma formação contínua e uma necessidade de mais competências para poder adaptar o profissional às contínuas transformações ocorridas no processo produtivo.

A função de produção

O Capital

Classificação dos diferentes tipos de capital

capital técnico

Capital técnico circulante: são meios utilizados na produção que desaparecem quando a mesma é executada.

Por exemplo: a farinha no fabrico de bolos.

Capital Circulante = Matérias primas + Matérias subsidiárias

Capital técnico fixo: são meios utilizados várias vezes no processo produtivo.

Máquina de sumos de laranja.

Capital fixo = Instrumentos de trabalho + Edifícios, terrenos, todo o tipo de imobilizado corpóreo.

Capital financeiro

Capital Próprio: são os meios financeiros aplicados pelos proprietários da unidade produtiva.

Capital alheio: são os meios financeiros que se encontram disponíveis mesmo não sendo pertencentes aos proprietários da unidade produtiva.

Capital humano: Representa o conjunto de aptidões humanas para o trabalho que inclui a experiência e os conhecimentos dos indivíduos. O capital humano é valorizado sempre que há investimentos na formação ou na saúde dos recursos humanos.

Aptidões

Formação

Experiência

Capital natural: Está presente na natureza

Exemplo: Petróleo, praias, gás natural, etc.

Substituibilidade

Divisibilidade

Complementaridade

Produtividade

A produtividade
Produtividade

Produtividade

“Vivemos numa sociedade que privilegia a pressa em vez do rigor, por esta razão fazemos cada vez mais coisas com menos valor…”

Pedro Castanho 2019

Produtividade é a relação entre o valor produzido e os factores produtivos utilizados.

Produtividade total = (valor da produção/valor dos fatores produtivos)

„Produtividade média de um fator em valor = (valor da produção/valor desse fator)

Produção do trabalho de 3000€, nº horas de trabalho 90h

Produtividade média (hora) = 33,33€

Produção de trabalho de 2000€, nº horas de trabalho 40h

Produtividade média (hora) = 50,00€

„Produtividade média de um fator em quantidade =(volume de produção/quantidade desse fator)

„Produtividade marginal, permite medir o acréscimo de produção obtido de cada vez que se adiciona uma unidade de fator produtivo, o seja, o impacto de uma unidade suplementar no resultado final.

ex: Café que tem esplanada que tem 5 mesas, no verão aumentou para 8 mesas mas passou a ter 2 empregados em vez de 1.

1 para 5

2 para 8

A produtividade média baixou 1 para 4.

Produtividade em Portugal

Alguns problemas relacionados

Utilização de capital obsoleto

Fraca qualificação da mão de obra

Excesso de burocracia

Ver artigos relacionados

Artigo 1

Artigo 2

Artigo 3

A produtividade associada à criação de valor

A produtividade associada à criação de valor
A produtividade associada à criação de valor

Criação de valor, valor da marca (imagem, publicidade), inovação, tecnologia envolvida, segmento de mercado.

Lei dos Rendimentos Decrescentes: Ocorre quando o aumento regular das quantidades de um fator (capital ou trabalho), mantendo o outro constante, a partir de um certo momento, a produção suplementar resultante desse aumento vai diminuindo progressivamente, ocorrendo uma diminuição marginal da produção.

Custos de produção

Conceito de custo marginal – é o total de encargos acrescidos que é necessário suportar por cada unidade adicional que é produzida.

Custo total = Custos Fixos + Custos Variáveis

Custos fixos: correspondem às despesas suportadas, independentemente da quantidade produzida. Por exemplo: rendas de espaços comerciais.

Por exemplo numa empresa:

Aluguer de carros, espaço (renda), fotocopiadora (leasing), salário de um funcionário = Custos Fixos

Despesas água, luz, material consumíveis, prémios de produtividade = Custos variáveis

Custo médio = Custo total / Quantidade

Economias de Escala: A economia de escala resulta da poupança que ocorrer quando o aumento da dimensão de uma unidade produtiva provoca uma diminuição dos seus custos unitários.

Por exemplo: Uma cadeia de restaurantes consegue negociar os preços devido à quantidade de encomendas e consegue custos unitários mais baixos.

Deseconomias de escala: Ocorrem quando a partir de um determinado ponto os custos começam a subir devido ao aumento da escala da produção.

Uma oficina que tem 1 elevador que permite reparar os carros.

1 elevador para 8 carros

Devido ao aumento da procura o dono decidiu comprar outro elevador

2 elevadores para 10 carros.

Isto significa, que em alguns casos o investimento não compensa.

Questões saídas em exame  

Taxa de atividade e taxa de desemprego

População ativa

População inativa

Para mais informações

Contacte-nos: 91 818 70 95 ou visite o site da nossa empresa: http://kids.com.pt/apoio-escolar-online-kids-2/

A produção de bens e serviços,lei dos rendimentos decrescentes,economias de escala, produção,factores de produção,produtividade,terciarização,escala