Questões de Exame Produção e processo produtivo

Questões de Exame Produção e processo produtivo

  1. A situação de desemprego caracterizada pela mudança sistemática de emprego por parte do trabalhador, denomina-se…
    1. desemprego repetitivo
    2. desemprego de longa duração
    3. desemprego tecnológico
    4. desemprego na terceira idade
  2. A taxa de desemprego determina…
    1. o número de desempregados
    2. a percentagem de desempregados sobre o total da população activa
    3. a percentagem de desempregados sobre a população total
    4. a percentagem de desempregados de longa duração
  3. Considere que, num dado país, em 2014, face a 2013, o nº de indivíduos residentes e o número de indivíduos ativos permaneceram inalterados, enquanto o número de indivíduos desempregados decresceu. No contexto descrito, podemos afirmar que, nesse país, em 2014, face a 2013, se verificou.
    1. um aumento do nº de indivíduos empregados.
    2. uma redução do nº de indivíduos empregados.
    3. um aumento da taxa de atividade.
    4. uma redução da taxa de atividade.
  4. Podemos medir o acréscimo de produção obtido, por cada vez que se adiciona uma unidade de factor produtivo, através…
    1. da lei de Engel
    2. da produtividade marginal
    3. da produtividade do factor capital
    4. da produtividade do factor trabalho
  5. Quando diminuem os custos unitários de uma unidade produtiva, devido ao aumento da sua dimensão, diz-se que há…
    1. economia de escala
    2. poupança bruta
    3. redução dos encargos
    4. deseconomias de escala
  6. É exemplo de um recurso natural renovável
    1. o petróleo utilizado na produção de gasolina
    2. o trabalho humano utilizado na produção de bens
    3. a força do vento utilizada na produção de eletricidade
    4. a farinha utilizada na produção de pão
  7. Os recursos naturais constituem…
    1. o capital natural
    2. as políticas ambientais
    3. os factores de produção de uma unidade artesanal
    4. os bens imateriais
  8. As donas de casa fazem parte…
    1. da população activa
    2. da população empregada
    3. da população inactiva
    4. da população com idade compreende entre os 25 e os 50 anos
  9. Consideram-se fatores de produção
    1. os recursos naturais, o capital e os agentes económicos
    2. o trabalho, o capital e actividade produtiva
    3. os recursos humanos, o capital e as técnicas de organização e gestão de empresas
    4. os recursos naturais, o capital e o trabalho
  10. O aumento regular da quantidade de um factor produtivo, mantendo-se tudo o resto constante, a partir de um dado momento provoca um decréscimo da sua produtividade marginal. Quando isso acontece, dizemos que se verifica…
    1. a lei dos rendimentos decrescentes
    2. um aumento da procura
    3. a lei de Engel
    4. a lei dos factores crescentes
  11. O fenómeno da terciarização constitui uma forma de…
    1. expansão do sector terciário ao sector primário
    2. expansão do sector dos serviços aos restantes sectores
    3. expansão do sector secundário ao sector terciário
    4. expansão dos sectores primário e secundário ao sector terciário
  12. Os recursos florestais e hídricos constituem…
    1. uma forma de reaproveitamento dos bens duradouros
    2. uma forma de recursos não renováveis
    3. uma forma de reposição da natureza que acompanha em tempo útil o ritmo das necessidades humanas
    4. uma forma de reposição da natureza que não acompanha em tempo útil o ritmo das necessidades humanas.
  13. O critério que permite distinguir bens materiais de serviços é…
    1. o tipo de desgaste sofrido pelos bens materiais
    2. a natureza material ou imaterial dos bens
    3. o grau de satisfação proporcionado pelos bens
    4. a raridade ou abundância dos bens materiais
  14. É  exemplo de uma medida imediata de combate ao desemprego…
    1. a alteração da taxa de juro dos depósitos à ordem
    2. o aumento da idade da reforma dos trabalhadores
    3. o equilíbrio das contas públicas
    4. a implementação de cursos de formação profissional
  15. O desemprego de longa duração
    1. é mais frequente nas zonas do interior do país
    2. representa a situação de quem se encontra à procura de emprego há mais de um ano
    3. representa a situação de quem se encontra à procura de emprego há mais de 2 anos
    4. corresponde à dificuldade, por parte dos indivíduos, de acompanharem a evolução tecnológica.
  16. O desemprego tecnológico
    1. é mais frequente nas zonas do interior do país.
    2. representa a situação de quem se encontra à procura de emprego há mais de um ano
    3. representa a situação de quem se encontra à procura de emprego há mais de 2 anos
    4. corresponde à dificuldade, por parte dos indivíduos, de acompanharem a evolução tecnológica.
  17. No estudo das possíveis combinações de factores produtivos, quando o período de implementação de uma mudança…
    1. é de longo prazo, podem-se alterar quase todos os factores
    2. é de curto prazo, podem-se alterar todos os factores
    3. é de longo prazo, não se podem alterar quaisquer factores
    4. é de curto prazo, não se podem alterar quaisquer factores
  18. O conjunto dos conhecimentos e das qualificações adquiridos pelas pessoas ao longo das suas vidas, através da educação e da formação profissional, designa-se por….
    1. capital físico;
    2. capital humano;
    3. capital técnico;
    4. capital próprio;
  19. O aumento da quantidade produzida de um bem resultante da utilização de uma unidade adicional de um factor produtivo, mantendo-se os restantes factores constantes, designa-se por…
    1. custo variável
    2. economia de escala
    3. produtividade média
    4. produtividade marginal
  20. O António decidiu adquirir acções da empresa A, que já encontram em circulação no mercado em que estavam cotadas na Bolsas de valores mobiliários. O único objectivo do António era obter uma remuneração atractiva para o seu dinheiro. Então, podemos afirmar que o António procedeu a …
    1. um financiamento interno
    2. um investimento indirecto
    3. uma formação de capital
    4. uma aplicação da poupança
  21. Os custos de produção…
    1. são compostos por uma parte fixa e outra variável
    2. são proporcionais à dimensão da unidade produtiva
    3. são os custos correspondentes a uma utilização eficiente dos recursos que viabiliza a maximização da produção
    4. incluem os salários, as rendas, os juros e os lucros
  22. O capital circulante de uma empresa inclui-se no….
    1. capital fixo e é constituído pelos bens de produção não duradouros
    2. capital fixo e é constituído pelos bens de produção duradouros
    3. capital técnico e é constituído pelos bens de produção duradouros
    4. capital técnico e é constituído pelos bens de produção não duradouros
  23. Para um dado país, considerando os rentastes fatores constantes, o aumento da população ativa num determinado momento poderá resultar, nomeadamente.
    1. do decréscimo da taxa de natalidade.
    2. da redução do nº de indivíduos desempregados.
    3. do decréscimo da taxa de emprego.
    4. da redução da idade mínima de acesso ao mercado de trabalho.
  24. A lei económica segunda a qual, quando se aumentam regularmente as quantidades de um fator produtivo e tudo o resto se mantém, a partir de um certo ponto dá-se a diminuição marginal da produção é…
    1. o Postulado do Equilíbrio
    2. a Lei dos Rendimentos Decrescentes.
    3. a Lei de Engel.
    4. a Lei da Oferta e da Procura.
  25. As entidades que exercem, como função principal, a produção mercantil de serviços de reparação de equipamentos informáticos são integradas no agente económico.
    1. administrações públicas
    2. instituições sem fins lucrativos ao serviço das famílias.
    3. empresas não financeiras.
    4. empresas financeiras prestadoras de serviços.
  26. O capital circulante de uma empresa inclui-se no
    1. capital fixo e é constituído pelos bens de produção não duradouros.
    2. capital fixo e é constituído pelos bens de produção duradouros.
    3. o capital técnico e é constituído pelos bens de produção duradouros.
    4. capital técnico e é constituído pelos bens de produção não duradouros.
  27. Uma empresa privada de correio expresso, num determinado momento, contratou mais três motoristas e adquiriu mais três carrinhas, com o objetivo de aumentar a sua capacidade produtiva. As carrinhas utilizadas pela referida empresa são consideradas capital.
    1. técnico fixo.
    2. técnico circulante.
    3. não duradouro.
    4. não comercial.
  28. Constitui um exemplo de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) de uma empresa.
    1. a aquisição de equipamentos produtivos.
    2. a aquisição de matérias subsidiárias.
    3. o pagamento de salários aos trabalhadores.
    4. o pagamento de dividendos aos acionistas.
  29. Para um dado país, considerando os restantes factores constantes, o aumento da população activa num determinado momento poderá resultar,nomeadamente
    1. do decréscimo da taxa de natalidade
    2. da redução do número de indivíduos desempregados
    3. do decréscimo da taxa de emprego
    4. da redução da idade mínima de acesso ao mercado de trabalho
  30. ……..
    1. Leia o texto que se segue…
    2. Usando uma cana de pesca em vez de pescar à mão, o tempo gasto torna-se mais produtivo, resultando numa maior quantidade de capturas por dia. Usando ainda mais capital, sob  a forma de redes e de barcos de pesca, a actividade torna-se suficientemente produtiva para alimentar muitas pessoas. Indique dois factores além do mencionado texto.
    3. No passado dia 20 de maio, uma fábrica produtora de relógios registou a produtividade média, por trabalhador, de 242 relógios por dia. No dia seguinte, a fábrica aumentou o número de trabalhadores de 5 para 6, tendo registado uma produtividade marginal de 620 relógios. Determine o número de unidades produzidas, por dia, pela fábrica de relógios quando passou a empregar 6 trabalhadores. Apresente as fórmulas usadas e todos os cálculos que efectuar
      1. Leia o texto que se segue.

Quando os recursos são tão abundantes que todos obtêm o que desejam, não perdemos tempo a decidir o que, como nem para quem se deverá produzir. Quando os recursos são escassos, a sociedade só pode obter mais de algumas coisas se receber menos de outras. Temos de escolher entre diferentes resultados.

Rudiger Sornbusch et al., Introdução à Economia, Rio de Janeiro, Elsevier, 2003, pp. 2-3 (adaptado)

Explicite, com base no texto, a importância da escolha no âmbito do problema económico.

 

Questões de revisão 1

Explique de forma um aumento da produtividade no emprego pode contribuir para Portugal superar mais facilmente as dificuldades sentidas com os recentes alargamentos da União Europeia,
Apresente dois problemas que o alargamento da UE trouxe a Portugal.

Explicite o conceito de empregabilidade explicando a importância da formação ao longo da vida
Os aumentos salariais muitas vezes são condicionados pela inflação. Explique de que modo a inflação pode influenciar o poder de compra dos cidadãos.

 

Produção e o processo produtivo

Produção e o processo produtivo

 

  1. Bens, noção e classificação
  2. Produção e processo produtivo
  3. Factores de produção
    1. Recursos naturais;
    2. Trabalho;
    3. Capital;
    4. combinação dos factores produtivos;
    5. Desemprego;
    6. Formação ao longo da vida
    7. Terciarização
  4. Produtividade
    1. Definição de produtividade
    2. Produtividade média
    3. Produtividade marginal
    4. Produtividade portuguesa

Diferentes tipos de capital

Diferentes tipos de capital

Existem diferentes tipos de capital de acordo com os critérios seguintes:

Capital técnico divide-se em capital fixo e capital circulante.

Capital fixo: são os meios de produção que podem ser utilizados várias vezes, embora sofram algum desgaste com o passar do tempo e o uso (edifícios, equipamentos, meios de transporte, etc).

capital circulante: são os meios de produção incorporados no processo produtivos de outros bens que desaparecem por inteiro após a sua utilização, ex: matérias primas, combustíveis, etc.

Capital financeiro divide-se em capital próprio e capital alheio

Capital próprio: são os meios financeiros que pertencem aos proprietários da unidade produtiva é o processo de auto financiamento.

Capital alheio: são os meios financeiros disponibilizados por terceiros que não pertençam à unidade produtiva, como por exemplo o acesso a crédito bancário, etc.

Capital humano:  conjunto de aptidões humanas (skills, know how) que permitem a capacidade de trabalho inclui a experiência e os conhecimentos dos indivíduos. O capital humano é valorizado sempre que existem investimentos na formação ou na saúde dos recursos humanos.

Capital natural: conjuntos dos recursos naturais disponíveis. Deve se promovida uma utilização racional do capital natural para não ser posto em causa o desenvolvimento sustentável do planeta (sustentabilidade).

 

 

 

 

Factores de produção

Factores de produção
factores de produção noção e classificação

Ao conjunto de todos os elementos necessários para produzir bens e serviços dá-se o nome de fatores produtivos.

Produção = recursos + trabalho + capital

Os fatores de produção compreendem todos os recursos económicos que entram no fabrico de um bem

Fatores produtivos

são o conjunto de elementos que precisam de ser postos em atuação combinada para que dessa combinação resulta a produção

Os fatores produtivos numa economia moderna

Recursos de capital;
Capacidade tecnológica
Capacidade empresarial;
Trabalho

Exercícios relações económicas com o resto do mundo

Exercícios relações económicas com o resto do mundo

  1. Um país detém uma vantagem absoluta na produção de um bem…
    1. quando produz esse bem com um custo relativo inferior a outro país.
    2. quando a sua elevada produtividade lhe permite produzir esse bem ao menor custo possível
    3. quando se especializa na produção de muitos bens
    4. quando produz uma grande quantidade desse bem.
  2. O peso do comércio externo de um país
    1. traduz a evolução das exportações desse país ao longo do tempo
    2. traduz o grau de abertura desse país ao exterior
    3. permite averiguar se o valor das exportações é suficiente para cobrir o valor das importações
    4. traduz as oscilações cambiais
  3. A taxa de cobertura de um país é inferior a 100% quando…
    1. o valor das suas importações é superior ao valor das suas exportações
    2. o valor das suas importações é inferior ao valor das suas exportações
    3. o total das importações e das exportações é inferior ao PIBpm
    4. o valor das suas exportações é inferior ao seu PIBpm
  4. As receitas provenientes do turismo registam-se na Balança de…
    1. mercadorias
    2. capitais
    3. rendimentos
    4. serviços
  5. Um dos principiais objectivos da Organização Mundial do Comércio (OMC) é…
    1. facilitar a integração económica europeia
    2. abrandar o processo de globalização económica
    3. reduzir o preço das exportações de bens
    4. Liberalizar as trocas internacionais
  6. A taxa de câmbio exprime a relação de troca entre…
    1. as moeda de 2 países
    2. os preços de dois produtos
    3. as importações e as exportações
    4. os bens e a moeda em circulação
  7. Na Balança de serviços registam entre outros, os fluxos relativos a…
    1. transferências correntes da UE
    2. transações de titulos entre residentes e não residentes
    3. seguros transportes e direitos de utilização
    4. cedência de activos não produzidos não financeiros
  8. O Investimento directo estrangeiro é registado na Balança…
    1. de capital
    2. de rendimentos
    3. financeira
    4. comercial

Exercícios saídos em Exame

Exercícios saídos em Exame

O ano de 2004 caraterizou-se pela recuperação da economia portuguesa. O consumo privado, em 2004, aumentou 2,3%, em termos reais, destacando-se, como é habitual em fases de retoma, um forte incremento das despesas em bens de consumo duradouros. Esta recuperação do consumo privado está associada a um clima de maior confiança e a um aumento do rendimento disponível dos particulares. Com efeito, o ligeiro aumento do emprego total e dos salários reais bem como a continuação do forte crescimento das prestações sociais superam os aumentos dos impostos e das contribuições suportadas pelos particulares.

Após dois anos de contracção, também o investimento em capital fixo registou um crescimento real de 1,3% em 2004.

Assim, invertendo a tendência dos últimos dois anos, a procura interna registou um contributo positivo para o crescimento do PIB a preços de mercado, enquanto as exportações líquidas de importações apresentarem um contributo negativo que, contudo, não impediu o crescimento do PIB em 1%, em termos reais.

Direcção -Geral de Estudos e Previsão, Ministério das Finanças, A Evolução da Economia Portuguesa em 2004,

Lisboa, Março de 2005, nº 214 (adaptado)

Justifique «a recuperação da economia portuguesa», em 2004, tendo em conta os contributos de cada uma das componentes da Despesa Interna referidas no texto.
Apresente as razões que, de acordo com o texto, justificam «o aumento do rendimento disponível dos particulares» em 2004.
Um outro factor económico que influencia o consumo, para além do rendimento, é a inovação tecnológica. Explique de que forma a inovação tecnológica pode influenciar o consumo.
O consumo tem sido incentivado com a abertura de novos espaços comerciais, como as grandes superfícies. Caracterize o circuito de distribuição normalmente associado a este tipo de comércio.

 

Questões de revisão 1

Explique de forma um aumento da produtividade no emprego pode contribuir para Portugal superar mais facilmente as dificuldades sentidas com os recentes alargamentos da União Europeia,
Apresente dois problemas que o alargamento da UE trouxe a portugal.
Exponha dois dos desafios que se colocam à UE decorrentes da entrada de novos estados membros.
Explicite o conceito de empregabilidade explicando a importância da formação ao longo da vida
Os aumentos salariais muitas vezes são condicionados pela inflação. Explique de que modo a inflação pode influenciar o poder de compra dos cidadãos.
Justifique a necessidade de se complementar o investimento na criação das infra-estruturas produtivas com o investimento em formação e inovação tecnológica, levando em consideração o papel do setor privado e do Estado.
Estabeleça a diferença entre a taxa de crescimento do PIB em termos nominais e reais.
Explique o efeito da subida dos preços de importação dos produtos não energéticos sobre a taxa de cobertura, mantendo-se tudo o resto constante.
A Contabilidade Nacional é uma forma de representação da vida económica que não é isenta de falhas nem de insuficiências. Apresente 3 das limitações da Contabilidade Nacional
Suponha que, a par da  taxa de inflação verificada em 2006 (3,1%), os salários nominais, em Portugal, subiram nesse mesmo ano, em média (2,5%). Explique como terão evoluido os salários reais nesse ano em Portugal.

 

 

Constrate entre crescimento económico e crescimento dos postos de trabalho.

“Atualmente assistmos a um paradoxo do crescimento económico não gerar emprego dentro da mesma proporção e um crescimento económico mais pequeno ser mesmo responsável pelo aumento do nível de desemprego.

Entre 1970 e 1992, a economia dos EUA cresceu 70% e o nível de emprego apenas 49%. Nesse mesmo período a economia japonesa 173% e os empregos apenas 25%, a economia europeia 81% e o nº de emprego s´9%.”

Comenta a frase acima

Preços e mercados

Preços e mercados

Definição de mercado

representa o local onde se encontram a oferta e a procura de um bem a um determinado preço.

O mercado é, então o local, em sentido físico ou abstrato, onde se compatibilizam a oferta e a procura de um bem, a um determinado preço.

Temos vários tipos de mercados, por ex:

Mercado de Valores, Mercado Automóvel, Mercado de Trabalho, etc.

A teoria da oferta e da procura demonstra como as preferências dos consumidores determinam a procura dos bens, enquanto que os custos das empresas são a base da oferta.

Do equilíbrio entre a oferta e a procura resulta o preço e a quantidade transaccionada de cada bem.

Mecanismo de mercado

O mecanismo de mercado revela a forma como se conjugam os interesses entre a oferta e a procura que possibilita a formação do preço de mercado dos bens.
Procura e lei da procura

A procura representa a quantidade de bens que os compradores estão interessados em adquirir a um determinado preço.

Quanto mais baixos forem os preços maior será a quantidade procurada.

Graficamente representa-se por uma curva decrescente.

images (1)

Procura individual: é a procura de cada um dos individuos  como consumidores

Procura agregada: somatório das procuras individuais

Para cada bem existe uma procura:

– Individual – quantidade de bem que o consumidor esta disposto a adquirir a um determinado preço

– Agregada – Soma de todas as procuras individuais por parte de todos os possiveis compradores de determinado bem (familias, empresas)

Função da procura

A relação existente entre o preço de um bem e a quantidade comprada desse bem é designada função da procura ou curva da procura

Efeito substituição – Aumento do preço de um bem A, torna atraente a compra de outro bem B que satisfaça a mesma necessidade a um preço mais baixo.

Efeito rendimento – Se tudo o resto se manter constante, e se baixar o preço do bem A, o consumidor aumenta o seu poder de compra (como se rendimento fosse maior)

Lei da procura

lei da procura

Lei da procura

Outros factores que influenciam a procura

1 – nível de rendimentos dos consumidores

2 – preferências dos consumidores

3 – dimensão de mercado

4 – preços de outros bens (bens complementares ou bens sucedâneos)

Deslocações da procura

Quando existem alterações de fatores, que não o preço do próprio bem, que afetam a quantidade procurada, designam-se por deslocações da curva da procura.

A procura aumenta (ou diminui) quando a quantidade procurada para cada preço de mercado aumenta (ou diminui).

lei da oferta

lei da oferta

A oferta e a lei da oferta

A lei da oferta traduz uma relação positiva entre os preços e a quantidade oferecida. Isto é, quanto mais altos forem os preços maior é o nº de produtores disponíveis a produzir mais quantidade.

Oferta individual é a oferta de cada um dos produtores

oferta agregada: somatório de todas as ofertas individuais

Outros factores que influenciam a oferta

1 – Custo de produção

2 – evolução tecnológica

3 – preços de outros bens

4 – expectativas dos produtores

5 – condições climatéricas

concorrencia imperfeita

concorrencia imperfeita

equilibrio orçamental

Estrutura dos mercados

Mercados de concorrência perfeita

Ela existe quando existem vários produtores que desejam vender o mesmo tipo de produtos e existem vários compradores.

Carateriza-se por um elevado nº de produtores e de compradores.

Pressupostos do mercado de concorrência perfeita

Atomicidade do mercado: existência de um elevado nº de compradores e vendedores de reduzida dimensão, que não conseguem, individualmente, influenciar significativamente o mercado, em particular, o seu preco.

Homogeneidade do produto: características dos produtos que são semelhantes em que para o consumidor é indiferente consumir uns ou outros.

Livre entrada no mercado: carateriza-se pela inexistência de obstáculos à entrada ou saída do mercado, podendo todos os seus participantes entrar ou sair livremente sem qualquer barreira.

Transparência perfeita: todos os intervenientes dispõem de um livre acesso às informações respeitantes ao mercado, nomeadamente sobre os preços praticados e a qualidade dos bens

Mobilidade dos factores: os factores de produção podem ser deslocados de uma unidade produtiva para outra, de modo a poder estar em cada momento na unidade que proporcionar maior rentabilidade.

Formação do preço em concorrência perfeita

No mercado de concorrência perfeita o preço é formado através do ponto de equilíbrio de mercado o preço de equilíbrio entre a oferta e a procura.

Preço de equilíbrio no mercado de concorrência

Sempre que falamos de um equilíbrio estamos a referir-nos a um preço e a uma quantidade em que são compatíveis os desejos dos consumidores e dos produtores. (procura e oferta)

Mercados de concorrência imperfeita

Não existe atomicidade. Existem empresas de grande dimensão que conseguem influenciar os preços e a quantidade de bens oferecidos.

Nem sempre se verifica a livre entrada no mercado porque a dimensão das empresas constitui por si só um obstáculo a qualquer nova empresa que tente entrar mercado.

Não existe homogeneidade de produtos existe um elemento diferenciador, os produto s têm carateristicas especificas que os diferenciam.

Transparência de mercado: nem sempre as informações estão disponiveis a todos os intervenientes da mesma forma.

Monopólio

No monopólio um vendedor comercializa bens a muitos compradores. Os preços e as quantidades são fixados para maximizar o lucro.

Como representa um investimento de grande envergadura é muito dificil a entrada nesta mercado.

Concorrência monopolistica

Neste caso existe um grande de empresas que comercializam produtos semelhates que se diferenciam uns dos outros pela marca, publicidade, ou outra carateristica especifica.

Ver também: https://pt.wikipedia.org/wiki/Concorrência_monopolística

Oligopólio

é uma situação de mercado em que um nº reduzido de produtores  comercializar a um grande nº de consumidores.

A concorrencia entre oligopolio prende-se em serviços pos venda,  nas garantias adicionais, e outros extras que os possam diferenciar.

É dificil entrar no mercado porque este se encontra dominado por poucas empresas de grande dimensão.

tipos de mercado

tipos de mercado

Associações e parcerias empresariais

Existem estratégias de redução de custos que possibilitam a obtenção de sinergias que possibilitam a criação de parcerias e associações empresariais.

Concentração horizontal

Consiste na reunião de empresas que fabricam o mesmo produto e desta forma podem beneficiar de economia de escala.

Concentração vertical

é a junção de empresas que trabalham em fases distintas da produção e desta fora podem reduzir-se os custos intermédios.

A empresas funcionam umas como fornecedoras das outras.

Concentração conglomeral

Cartel
Aquisição

Verifica-se quando uma empresa adquire outra que desta forma deixa de existir para passar a fazer parte da primeira.
Fusão (trust)

Consiste na associação de duas ou mais empresas de que resulta uma nova empresa que utiliza os fatores produtivos das anteriores.

Fusões e aquisições

Operações que conduzem a que o controlo de capital de uma empresa mude de mão. Procura-se obter ganhos de eficiência através do aproveitamento de economias de escala, da racionalização de processos, da criação de canais de distribuição alternativos, etc. Procurando constranger a concorrência.

– Na fusão – as empresas decidem fundir as suas actividades e organizar um controlo comum dos activos.

– Na aquisição – amigável ou hostil – uma das empresas adquire participação na outra

Ambas tendem a incidir em sectores com elevada intensidade tecnológica (electrónica, informática, automóvel, farmacêutica).

Related:

http://www.iapmei.pt/iapmei-art-03.php?id=1329

https://www.portal-gestao.com/artigos/6366-o-que-são-fusões-e-aquisições.html

Destinos da poupança – importância do investimento

Destinos da poupança – importância do investimento

A poupança representa a parte do rendimento disponível que não é gasta em consumo.

Desta forma a parte do rendimento disponível que é dedicada à poupança pode ser aplicada de diversas formas.

Colocação financeira, Entesouramentos, Investimento

A colocação financeira: consiste na aplicação da poupança em produtos financeiros disponibilizados por intermédio de instituições financeiras. Temos como exemplo: os depósitos a prazo, as acções, as obrigações, os certificados de aforro, bilhetes do tesouro, os planos de poupança ou os fundos de investimento, uma panóplia de produtos tão variados que torna importante definir um critério para a sua escolha.

A seleção do produto mais adequado para cada aforrador deve ter em atenção os seguintes aspetos:

risco: se o produto garante, ou não, uma determinada rentabilidade ou se a sua taxa de rentabilidade é fixa ou variável;

rentabilidade: se o rendimento esperado do produto é mais ou menos elevado;

liquidez: se o título é mais ou menos facilmente convertível em moeda;

fiscalidade: se existem benfícios fiscais associados ao produto e o tipo de tributação que incide sobre os rendimentos daí derivados.

Entesouramento:  ocorre  quando a poupança fica à guarda dos seus proprietários ou, caso fique à guarda dos seus proprietários ou, caso fique à guarde de terceiros não tem como propósito a rentabilização do património, mas sim preservar o seu valor.

Temos como exemplo épocas históricas de hiper-inflação que o dinheiro perdeu tanto valor que os agentes económicos tentavam de todos os modos encontrar maneira de não perderem o valor.

Investimento: é uma outra alternativa para utilização da poupança. Neste caso canalizamos a poupança para a atividade produtiva e desta maneira manter ou aumentar a capacidade produtiva.

A poupança pode assim ser usada na substituição de equipamentos e na reposição de stocks das matérias primas utilizadas no fabrico de bens.

O investimento também pode ser designado de formação de capital e este divide-se em 2 componentes:

Formação bruta de capital fixo (FBCF), que designa o valor do investimento líquido realizado com a aquisição de bens duradouros (capital fixo) juntamente com o valor do capital fixo que foi consumido as amortizações. Podemos ter investimento de substituição ou investimento de capacidade.

Variação de existências: representa as oscilações dos stocks de existências entre dois períodos diferentes. Consideramos normalmente o período de 1 ano. O seu cálculo é efetuado pela subtração entre o valor das matérias primas, produtos semi-acabados e produtos acabados existentes no inicio do ano (dia 1 de Janeiro) ao valor existente no final do ano (31 de Dezembro), apurando-se, desse modo, as variações dos stocks de existências que ocorreram ao longo do ano.

Investimento quanto à natureza:

Investimento material: quando se refere à aquisição de bens tangíveis, compra de bens com existência física, bens corpóreos.

Investimento imaterial: quando se refere à aquisição de bens intangíveis, bens não corpóreos, como a prestação de serviços relacionados com a formação de I&D, aquisição de marcas, patentes, software informático, despesas com publicidade,etc….

Investimento financeiro: se envolve a aquisição de ativos financeiros, como, por exemplo, ações ou obrigações.

Investimento quanto à função

Investimento de substituição: ou de renovação pretende assegurar a manutenção da capacidade produtiva através da reposição do capital à medida que este vai sendo utilizado.

Investimento de inovação ou racionalização: permite manter os equipamentoss e os processos de fabrico tecnologicamente atualizados para garantir a eficiência e competitividade das unidades produtivas.

Investimento de capacidade: permite o aumento da capacidade produtiva da unidade de produção através da aquisição de mais bens de equipamento.

Investimento: quanto ao agente

Investimento Público: investimento em infra-estruturas públicas, como vias de comunicação, pontes, escolas ou hospitais.

Investimento Privado: Efetuado pelo Estado ou por agentes privados.

Registo das Relações com o Resto do Mundo

Registo das Relações com o Resto do Mundo

O registo das relações com o resto do mundo – A balança de pagamentos
É na Balança de Pagamentos que são registados todos os movimentos financeiros decorrentes das relações económicas ocorridas entre um determinado país e o resto do mundo. É pois nesta balança que são registadas as entradas de capitais motivadas pelas exportações de mercadorias, as saídas de capitais associadas às importações de mercadorias, as entradas de capitais motivadas pelos investimentos realizados por agentes económicos estrangeiros, as entradas de capitais associadas a subsídios ou a remessas de emigrantes, entre muitos outros movimentos financeiros.

Os fluxos migratórios e as relações económicas
Os movimentos de pessoas entre os diferentes países, migrações, conduzem a transferências monetárias para os seus países de origem, transferências essas que designamos de remessas dos emigrantes, extremamente importantes para alguns países para o equilibrio das suas contas externas

Actualmente os capitais circulam com maior facilidade entre os diversos países procurando condições mais atractivas, e quando essas condições deixam de existir ou se tornam menos atractivas transferem-se com grande facilidade para outras regiões.

Da mesma forma também os Empréstimos efectuados entre instituições de diferentes países, muitas vezes utilizados para suprir a escassez de capital característica dos países mais pobres e, assim financiar projectos de desenvolvimento económico ou outros.

Balança de mercadorias
Nesta balança são registados os fluxos monetários resultantes das trocas de mercadorias do país com o exterior.
Quando um país compra mercadorias a outro está a efectuar uma importação, a que corresponde, em termos monetários, uma saída de moeda da sua economia, que é registada nesta balança a débito.
O registo a crédito verifica-se quando um país vende mercadorias ao exterior, o que corresponde a uma entrada de moeda, designando-se este movimento por exportação.

Balança Comercial
Na Balança Comercial são registados os valores das importações e das exportações de mercadorias. No caso do valor das importações ser superior ao valor das exportações, a saída de capitais é superior à entrada de capitais pelo que o saldo da Balança Comercial é desfavorável diz-se que se verifica um défice comercial. Pelo contrário, se o valor das exportações for superior ao valor das importações a entrada de capitais é superior à saída de capitais pelo que o saldo da Balança Comercial é favorável, neste caso temos um superavite comercial.
A Balança Comercial é uma das componentes da Balança de Pagamentos de determinado país, onde são registadas as importações e as exportações de mercadorias, nomeadamente bens primários / matérias-primas (bens alimentares, combustíveis, minério,…) e bens industriais (equipamentos, veículos,…).
Quando o montante das exportações é superior ao montante das importações diz-se que se verifica um superavit comercial. Na situação inversa diz-se que se verifica um défice comercial. Para efeitos de análise e comparação entre diferentes países, é comum efectuar a análise em função do PIB

Mercado de Câmbios
O valor da moeda não é algo imutável. As moedas tais como qualquer outra mercadoria, são objecto de transacção. O mercado onde se trocam moedas designa-se Mercado de Câmbios. O valor da moeda nesse mercado depende da oferta e da procura dessa moeda.

Importância da taxa de câmbios
Para que esse câmbio seja possivel, é necessário que exista uma relação de troca quantitativa, entre as 2 moedas.
A relação existente entre 2 moedas chama-se taxa de câmbio.

Sistema de câmbios fixos
Quando as autoridades monetárias do país definem  elas próprias as taxas de câmbio da sua moeda face às outras, intervindo no mercado sempre que necessário para manter essas paridades previamente fixadas.

Sistema de câmbios flexiveis
Quando as autoridades monetárias se abstêm de intervir, deixando o mercado, através do seu mecanismo regulador, a tarefa de fixar as taxas de câmbio da sua moeda.

Valorização e desvalorização da moeda
Quando a taxa de câmbio de uma moeda desce temos uma desvalorização ou depreciação da moeda. Nesta situação a nossa moeda passa a valer menos face às moedas estrangeiras, por exemplo se o Euro valorizar face ao dólar um turista americano no Algarve vai ter que dar mais dólares para passar férias em Portugal. Por outro lado um português que compre um computador americano vai ter que dar menos euros para a transacção pois o euro fica valorizado face ao dólar.

Relação entre o câmbio e a balança de mercadorias
Antes de Portugal aderir à moeda única Portugal recorria várias vezes à desvalorização da sua moeda como factor de competitividade internacional pois desta forma conseguia ser mais competitivo no mercado internacional pois aumentava as suas exportações ao mesmo tempo que baixava as suas importações causando melhorias na sua balança de mercadorias.

Divisas
Moeda com aceitação internacional que por essa razão é utilizada como forma de pagamento nas trocas internacionais.
-Meios de pagamento utilizados no comércio internacional (ex: euro e reservas de ouro).
-Nem todas as moedas nacionais são aceites nas trocas internacionais, por estarem sujeitas a flutuações frequentes ou porque se verifica uma instabilidade económica nesses países.
-As divisas utilizadas pelos importadores são moedas fortes, ou seja, com uma elevada procura no comércio internacional.
-Actualmente o dólar e o euro são divisas fortes com boa aceitação nas relações económicas internacionais.
Exemplo:
-Na zona Euro, os pagamentos são efectuados em euros.
-Em situações de comércio entre a zona Euro e um país fora desta zona, é necessário fazer pagamentos na moeda do país em causa, numa aceite internacionalmente ou em ouro proveniente das reservas dos bancos centrais…

Indicadores do Comércio Externo
Dos diversos indicadores do comércio externo salientamos 2:
Taxa de Cobertura;
Estrutura do Comércio Externo;

Balança de Mercadorias e a Tx de cobertura
Quando a balança de mercadorias é deficitária, ou seja, o seu saldo é negativo, a taxa de cobertura tem um valor inferior a 100, uma vez que significa que o valor das exportações é inferior ao das importações
Quando o saldo é nulo, a Balança está equilibrada e a tx de cobertura é igual a 100
Quando o saldo é superavitário a taxa de cobertura é superior a 100

Taxa de cobertura
A taxa de cobertura indica-nos a percentagem do valor das importações que é coberta pelas nossas exportações.
Por exemplo se em Portugal tivermos 70% de taxa de cobertura significa que 70% das importações realizadas pelo nosso país são cobertas pelas nossas exportações o que significa que a nossa Balança Comercial é deficitária.
Taxa de Cobertura
Exportações x 100 Importações

Estrutura do comércio externo
A Estrutura do Comércio Externo pressupõem uma análise do tipo de bens que o país exporta e que importa.
Quando um pais importa essencialmente bens que incorporam uma elevada e sofisticada transformação industrial e simultaneamente, exporta bens com fraca ou nenhuma transformação estamos a falar de um pais pouco desenvolvido.

A situação contrária acontece quando a estrutura das exportações assenta em bens industriais de alto valor acrescentado e por sua vez as importações são essencialmente de bens de natureza primária esta situação é característica dos países desenvolvidos.

Balança de serviços
Na Balança de Serviços são registados os fluxos financeiros relacionados com a prestação de serviços entre países , um dos mais importantes serviços , em especial no caso português, são as receitas com a actividade turística. Dada a sua similaridade, muitas vezes é efectuada a junção entre a Balança Comercial e a Balança de Serviços, resultando daí a Balança de Bens e Serviços.

Balança de Serviços: onde tem particular importância para Portugal, o turismo.

Balança de Rendimentos
Registam-se nesta balança os fluxos monetários resultantes da movimentação de rendimentos de dois tipos:
Rendimentos de trabalho;
Rendimentos de investimento;

Balança de transferências correntes
Balança de transferências: onde se destacam as remessas dos emigrantes.
Registam-se os seguintes fluxos monetários
Remessas de emigrantes e imigrantes
Transferências correntes com a EU
Fluxos financeiros associados a cooperação entre estados
Recebimento de pensões por emigrantes regressados definitivamente.

Estas transferências são classificadas como:
Públicas, quando envolvem o Estado Português;
Privadas, quando o Estado Português nelas não intervém, mesmo quando provenientes de outro Estado ou organização estadal.

Balança de transferÊncias unilaterais
Na Balança de Transferências Unilaterais são registados as entradas e saídas de valores sem contrapartidas reais associadas como sejam os subsídios comunitários recebidos, as doações obtidas e concedidas e as remessas dos emigrantes obtidas e concedidas.

Balança Corrente
Balança Corrente: Balança de Mercadorias, Balança de Serviços, Balança de Rendimentos, Balança de Transferências Correntes.
O Saldo da Balança Corrente indica, de certa forma, se uma economia está a viver dentro dos limites do seu rendimento.
Se apresenta valores positivos a poupança interna é excedentária face às necessidades nacionais;
Se o saldo é negativo mostra que o nível da actividade económica interna está a ser sustentado da entrada de Poupança Externa

Balança de capital
Balança de Capital: inclui os fluxos não correntes de capitais entre um país e o resto do mundo  (uma os recebimentos de capitais da EU ou os fluxos associados à cooperação entre Estados).

Balança financeira
Balança Financeira: destaca-se o investimento directo estrangeiro entre um pais e o resto do mundo.
A Balança Financeira é composta por 5 rubricas:
Investimento directo
Investimento de Carteira
Outro investimento
Derivados financeiros
Activos de Reserva

Políticas Comerciais e a Organização do Comércio Mundial
A dimensão das trocas internacionais é superior a qualquer outra época da história. As mercadorias cruzam hoje todo o mundo, impulsionadas pelo desenvolvimento dos transportes e também das comunicações e dos serviços e da maior facilidade de circulação do capital.
Existe uma cresce liberalização da economia mundial que se repercute num processo a que chamamos de Globalização.

Proteccionismo – Instrumentos de Política Externa
O Proteccionismo está relacionado numa fase inicial à corrente mercantilista que vigorou nos séculos XVI e XVII, um pouco por toda a Europa.
Esta corrente defendia que a riqueza de um pais dependia da quantidade de metal precioso que detinha para aumentar a sua riqueza cada país importava o mínimo possível pois as importações implicavam a saída do metal precioso.
Desta forma cada país tentava restringir o comércio com o exterior, pelo menos no que respeita às importações, já que as exportações implicavam a entrada de metal precioso.
Este principio voltou a ser defendido e posto em prática no sec. XX, principalmente no período entre a 2 guerras mundiais, depois de um interregno de 2 séculos em que foi substituído pelas ideias livre-cambistas.

Tipos de proteccionismo menos transparentes:
Subsídios às exportações
Dumping
Desvalorização da moeda
Vantagens e inconvenientes do proteccionismo. O proteccionismo poderá ser justificado em determinados períodos e para certos bens.

Proteccionismo às Importações
Barreiras Alfandegárias
-Barreiras Tarifárias (ex: Direitos aduaneiros)
-Barreiras não tarifárias (ex: Contingentes)

Proteccionismo às Exportações
-Subsídios à exportação
-Dumping (Económico, social, fiscal e ecológico)
-Desvalorização da moeda

Instrumentos de Politica Comercial Externa
Direitos aduaneiros: trata-se de impostos que são aplicados aos produtos importados, que, assim se tornam mais caros, desincentivando, desta forma, a sua aquisição pelos consumidores.
Contingentação: fixação de limites máximos em volume ou valor monetário para a importação de determinados tipos de produtos.

Barreiras não tarifárias: inclui-se dentro desta categoria todo um conjunto de obstáculos às importações que não passam pelo pagamento de quaisquer taxas ou impostos mas pela exigência de cumprimento de determinadas regras de segurança ou de higiene ou outras, no sentido de dificultar essas mesmas importações.

Subsídios à Exportação: neste caso, assim como no exemplo seguinte, o objectivo não é o de desencorajar as importações, mas o de encorajar as exportações.
Dumping: trata-se de um termo técnico utilizado para definir a venda, no exterior, de um produto a preços inferiores aos praticados dentro do espaço nacional.

Livre Cambismo
A teoria livre-cambista deriva da filosofia política liberal nascida no século XVIII. A Grã-Bretanha foi a grande incentivadora do livre-cambismo, pois, tendo sido a primeira nação a encetar a Revolução Industrial, via no livre-câmbio de mercadorias a melhor forma de expandir as sua exportações e, em consequência, a sua economia
Autores ingleses como Adam Smith e David Ricardo salientaram as vantagens de uma ordem económica internacional baseada nesta doutrina: só ela proporcionaria a melhor utilização possível dos recursos, mediante a especialização dos países nas actividades para as quais estão mais vocacionados (a chamada divisão internacional do trabalho).
Dumping
É a forma mais comum de comportamento ilegal de concorrer no mercado internacional quando os bens são vendidos a preços inferiores ao seu custo de produção ou mais baratas do que no mercado interno dos países exportadores. Esta prática visa eliminar concorrentes, aumentar a quota de mercado dos países exportadores, mas origina prejuízos materiais à indústria dos países importadores. É o dumping económico. Podemos falar ainda em dumping:
-social
-ecológico
-monetário
-fiscal

Quando os bens são vendidos a preços mais baixos do que no mercado interno dos países exportadores, em consequência baixos ordenados e más condições de trabalho falta de legislação que obrigue as empresas a não poluir o ambiente, manipulação das taxas de câmbio e evasão fiscal e facilidades fiscais.
O dumping social (exploração da mão-de-obra) surge quando os baixos custos de produção com base na mão-de-obra barata, permite fixar preços mais baixos aumentando a competitividade à custa de um problema social.
Será dumping monetário quando as autoridades monetárias manipulam as taxas de câmbio para que os produtos sejam mais competitivos ao nível internacional.

Livre Cambismo
O comércio internacional está hoje, por força de sucessivos acordos (como o GATT) e de organizações internacionais como a União Europeia, o NAFTA, o MERCOSUL e a Organização Mundial do Comércio, estabelecido de forma muito próxima da formulação livre-cambista. A divisão internacional do trabalho é baseada no princípio Ricardiano das vantagens comparativas, que se considera conduzir à máxima eficiência de afectação dos recursos a nível mundial, à optimização do bem-estar e ao máximo benefício dos consumidores

Livre Cambismo versus Proteccionismo
O Livre cambismo ou comércio livre defende as trocas entre os países sem quaisquer entraves.
O Proteccionismo não deixa de defender o comércio entre países, contudo, entende que se deve realçar o comércio nacional. Impõe algumas restrições para não prejudicar as economias nacionais penalizando as outras economias com as quais estabelecem relações comerciais.
Instrumentos de proteccionismo:
Barreiras alfandegárias: Barreiras tarifárias (Direitos aduaneiros), Barreiras não tarifárias (Contingentação), ex: Embargo Comercial, forma extrema de contingentação.

GATT
Conjunto de acordos de comércio internacional que têm como fim a abolição das tarifas e das taxas aduaneiras entre os países signatários. O primeiro acordo foi estabelecido em 1947, em Genebra, sob os auspícios da Organização das Nações Unidas, por 23 países, e tinha como fim harmonizar as políticas aduaneiras dos estados signatários. As rondas de negociações mais importantes foram as chamadas “Kennedy Round” (1964-1967), “Tóquio Round” (1973-1979) e “Uruguai Round” (1886-1993). Este último acordo foi assinado por 117 países e teve como objectivo reduzir os entraves ao comércio mundial, tornando-o mais interdependente pelas sucessivas reduções das pautas aduaneiras. Pela primeira vez, este importante programa de liberalização do comércio mundial incluiu produtos agrícolas e serviços. Os acordos sucessivos permitiram baixar a média das percentagens das tarifas mundiais aplicadas às mercadorias industriais de 40% em 1947 para 5% em 1993. Estes acordos tornaram-se uma espécie de código de conduta dos governos em matéria de comércio internacional. Enquanto organização internacional, o GATT tem sede em Genebra, na Suíça, onde funcionava inicialmente o Secretariado, um Conselho de Representantes e uma Assembleia anual. Estes órgãos foram substituídos nos anos 90 por uma única instituição, denominada Organização Internacional do Comércio. Portugal aderiu em 1962, sendo o 44.o subscritor do GATT.
Inicialmente, o GATT funcionava através de negociações (denominadas de rounds numa alusão aos combates de boxe devido à enorme dificuldade de obtenção de consenso). Nas primeiras negociações conseguiu-se, essencialmente, a descida das tarifas das principais mercadorias, passando, depois, para temas como as medidas anti-dumping e outras barreiras não tarifárias. Posteriormente, os temas passaram a ser a regulamentação das trocas, já não directamente de mercadorias, mas de serviços, tais como telecomunicações, seguros, informação financeira,etc.

OMC
A Organização Mundial do Comércio (OMC) é uma organização internacional que trata das regras sobre o comércio entre as nações. Os membros da OMC negociam e assinam acordos que depois são ratificados pelo parlamento de cada nação e passam a regular o comércio internacional.[1] Em inglês é denominada World Trade Organization” (WTO) e possui 153 membros.
Actualmente, a OMC, contrariamente ao GATT funciona ininterruptamente, o seu principal objectivo continua a ser a liberalização do Comércio Mundial.
OMC objetivos:
Para proporcionar a liberalização do comércio externo, a OMC aplica os princípios:
-Da reciprocidade: se um país concede facilidades no acesso ao seu mercado por parte de bens provenientes de outro, então este deverá proporcionar o inverso
-Da não discriminação: sempre que um país concede mais facilidades no acesso ao seu mercado aos bens provenientes de outros, então esta situação deverá estender-se a todos os restantes países a quem adquire bens.

Questões de revisão 1 – a taxa de inflação
… é a taxa de crescimento dos juros
… é o preço do dinheiro
… é a taxa de crescimento dos preços no consumidor
… é a taxa de referência dos câmbios.

Questões de revisão 2- O aumento contínuo, inesperado e generalizado dos preços dos bens denomina-se…
… inflação;
… deflação
… Índice de Preços no consumidor;
… Índice Harmonizado de preços no consumidor.

Questões de revisão 3- O salário real…
… corresponde ao total das remunerações do trabalhador depois de se deduzirem os impostos e contribuições sociais
Corresponde ao poder de compra do salário nominal
… corresponde ao rendimento pessoal disponível.
… corresponde à quantidade de moeda que um indivíduo recebe em troca de trabalho.

Questões de revisão 4- O automóvel é uma necessidade primária Esta afirmação é…
… verdadeira, porque o automóvel é essencial para deslocações na cidade
… falsa, porque o automóvel é um bem e não uma necessidade
… verdadeira, porque o automóvel pode facilmente adquirir-se a crédito;
… falsa, porque o automóvel prejudica o ambiente, quando utilizado na cidade.

Questões de revisão 5- Fazem parte da população activa…
… as donas de casa;
… os estudantes;
… os indivíduos com idade superior a 15 anos;
… os desempregados.

Questões de revisão 6- A forma de salário que representa a quantidade de moeda que um indivíduo recebe em troca do seu trabalho designa-se…
… salário nominal;
… salário bruto;
… salário real;
… salário ilíquido.

Questões de revisão 7- O custo de oportunidade…
… representa o total dos encargos suportados com um negócio
… corresponde ao valor que os consumidores estão dispostos a pagar por um bem material;
… mede-se através da melhor alternativa que foi sacrificada quando se efectuou uma escolha
… calcula-se em função dos rendimentos gerados no acto produtivo.

Questões de revisão 8- O salário que resulta depois de se deduzirem os impostos e as contribuições sociais ao salário bruto denomina-se salário…

a – iliquido

b – liquido

c – real

d – nominal

Questões de revisão 9- O Quadro onde se registam todas as transacções económicas que se operam entre um país e o Resto do Mundo denomina-se…

a – Orçamento de Estado

b – Quadro de Entradas e Saídas

c – Balança de pagamentos

D – SEC 95

Questões de revisão 10- É exemplo de uma medida de combate ao desemprego…

a – a aleração da taxa de juro dos depósitos à ordem

b – o aumento da idade de reforma dos trabalhadores

c – o equilíbrio das contas públicas

d – a implementação de cursos de formação profissional.